Num momento em que se fala de investimentos, alguns deles faraónico como parece ser o caso da OTA e do TGV, as obras em torno do Metro voltam à baila novamente. 

Em Lisboa fala-se na construção da linha do Metro até ao aeroporto, o mesmo aeroporto que querem encerrar para ser substituído pelo da OTA!

No Porto o governo PS/Sócrates mandou suspender tudo em Novembro de 2005 e ainda estamos à espera.

Enquanto se espera fica por cumprir o compromisso que o governo assumiu com os trofenses e que formalizou inclusive numa reunião do Conselho de Ministros realizada em Junho de 2003, cujo conteúdo foi publicado em Diário da República em Dezembro do mesmo ano.

Ficou então, "preto no branco", que a linha da Trofa era para fazer e em via dupla! 

Observamos que entretanto avançou tudo até à Maia (ISMAI) e a Trofa, com um peso político Jaime Togabastante reduzido no contexto metropolitano, espera, espera, espera…

Acresce ao exposto o facto da linha da Trofa ser a mais barata de todas as linhas do Metro do Porto, de a Trofa ser o único concelho previsto para a primeira fase que não está servido e ainda por cima ficamos sem o comboio da via estreita.

Aparentemente é fácil argumentar junto do Governo. É fácil para a Câmara, mas também é fácil para a oposição.

No que diz respeito à oposição, onde também me insiro enquanto dirigente do PCP e eleito autárquico, são públicas as intervenções dos comunistas, as suas perguntas ao Governo e até suas propostas para ultrapassar o impasse que o governo PS/Sócrates criou.

Mas no concelho o PS também é oposição. Aliás, temos a particularidade de ter no concelho Joana Lima que é oposição (na Câmara da Trofa) e poder (na Assembleia da República).

O que tem feito o PS e Joana Lima para resolver o problema do Metro para a Trofa?

Joana Lima é responsável máximo do PS no concelho, foi (acho que ainda é) aspirante a presidente da Câmara e é deputada na Assembleia da república. Com tanta responsabilidade para com os trofenses o que tem feito para que o governo do seu Partido deixe o Metro ser construído até à Trofa? 

O responsável distrital do PS (Renato Sampaio) já veio a público dar o seu acordo às alegadas intenções do governo de só a partir de 2009 ou 2010 permitir novos investimentos nas linhas de Metro.

Significa isto que até ao fim desta década continuaremos sem metro, sem comboio da via estreita e com os investimentos adiados.

Se houvesse vontade política dentro de quatro meses poderia ser lançado o concurso público para depois se adjudicar uma obra que duraria cerca de 18 meses a concluir. Dessa forma poderíamos ter o metro no concelho em 2009 e já assim chegaria muito depois do que foi inicialmente prometido. 

Mas também é verdade que, se a lógica de funcionamento da Área Metropolitana do Porto conseguisse sair do bloco central de interesses PS/PSD e passássemos para a discussão publica, poderíamos ter mais força nesta discussão e ajudar a resolver o problema para o qual a Câmara da Trofa nitidamente não tem força politica nem o governo PS/Sócrates tem vontade. 

O tempo vai passando, as promessas vão sendo adiadas, mas uma dúvida fica: quem indemniza a Trofa e os trofenses pelos prejuízos causados por estes atrasos? 
 

Jaime Toga

(http://jaimetoga.blogspot.com/)