A 8 de março de 1857 as operárias de uma empresa têxtil de Nova Iorque entraram em greve e ocuparam a fábrica para exigir melhores condições de trabalho, salários mais justos e equiparados aos dos homens. Nesta fábrica, como em tantas outras as condições de salubridade eram miseráveis, as mulheres trabalham em média 18 horas por dia por metade dos salários dos homens. A manifestação foi reprimida com total violência e as mulheres foram fechadas dentro da fábrica, posteriormente incendiada e cerca de 130 morreram carbonizadas.

Estas mulheres simbolizam a luta, o medo, a ousadia, a força, as convicções e a persistência de milhares e milhares de mulheres que todos os dias corajosamente lutam pelos seus direitos e por um futuro de esperança e de igualdade para mulheres e meninas.
É verdade que muitos passos têm sido dados neste caminho longo e necessário para a Igualdade mas os factos e a realidade em que muitas mulheres e meninas vivem, justificam o sentido deste dia.
Enquanto houver violência, descriminação e desrespeito pelos direitos humanos fundamentais, haverá sempre necessidade de assinalar, debater e sobretudo lembrar….
Sabia que mais de 70% das vítimas de tráfico humano são mulheres e meninas, sendo que 3 em cada 4 são alvo de exploração sexual?
Sabia que em 2016 foram sinalizadas em Portugal 228 vítimas de tráfico de seres humanos?
Sabia que em todo o mundo 800 mulheres morrem diariamente por causas evitáveis relacionadas com a gravidez?
Sabia que mais de 150 milhões de meninas correm o risco de serem sujeitas a casamentos forçados até 2030?
Sabia que por ano 15 milhões de meninas são forçadas a casar, o que corresponde a 28 meninas por minuto?
Sabia que em 2016 o Instituto Nacional de Medicina Legal e Ciências Forenses sinalizou 767 casos de violência no namoro, sendo que 657 das vítimas eram mulheres?
Sabia que em todo o mundo há cerca de 200 milhões de mulheres afetadas pela prática da mutilação genital feminina?
Sabia que em 2016, registaram-se em Portugal 80 casos da prática de mutilação genital feminina?
Sabia que em 2016, 34% dos homens partilharam a licença de parentalidade e em 2008 apenas 0,8% optou por esse direito?
Sabia que em 2016 mais de 2 mulheres por dia apresentaram queixa por crime de violência sexual?
Sabia que 12% da população ativa, na sua grande maioria mulheres já vivenciou assédio sexual por um superior hierárquico ou colega de trabalho?
Sabia que cerca de 20 000 mulheres ou meninas são mortas por ano por crimes de honra, cometidos pelos pais, irmãos ou maridos?
Sabia que 1 em cada 5 mulheres já foi alvo de violência física e /ou sexual em relações de intimidade nos últimos 12 meses?
Sabia que nos últimos 14 anos, 470 mulheres foram mortas em Portugal na sequência da violência domestica?
Sabia que nos últimos 10 anos cerca de 700 crianças ficaram órfãs de mãe devido a crimes de violência doméstica?
Sabia que as mulheres representam mais de metade da força laboral nacional mas que 91% dos lugares dos conselhos de administração das 17 empresas cotadas em bolsa são ocupados por homens?
Sabia que das 500 maiores empresas de Portugal, apenas 8,3% são lideradas por mulheres?
Sabia que de entre os desempregados licenciados, 68 000 são mulheres e 41 000 são homens?
Sabia que dos 308 municípios só 10,4% são liderados por mulheres?
Sabia que as mulheres representam 26,6% dos eleitos locais e 35,2% dos deputados da Assembleia da Republica?
Sabia que que em mais de 40 anos de democracia, foram nomeados para ministros mais de 500 homens e apenas pouco mais de 40 mulheres?
Sabia que as mulheres constituem 12% dos membros dos conselhos de administração das empresas cotadas na bolsa e 7% das administradoras executivas?
Sabia que as mulheres ocupam apenas 1/3 das funções de gestão e liderança?
Sabia que em Portugal as mulheres ganham menos 17,9% da remuneração mensal de base do que os homens no desempenho das mesmas funções?
Sabia que as mulheres para conseguirem ganhar o mesmo que os homens teriam de trabalhar mais 65 dias?
Por tudo isto e por muito mais….
Sejamos todos, neste e em todos os dias a voz de tantas e tantas que lutam pela sua afirmação profissional, pelo acesso à educação e formação, pelo direito ao trabalho digno, ao salario igual, à não-violência, à não discriminação, à conciliação da vida profissional e pessoal, ao acesso aos cargos de chefia, ao respeito, à igualdade, à justiça e à liberdade.
Que este caminho seja feito com passos firmes e audazes, com diálogo, compromisso e envolvimento de todos, homens e mulheres!
Que este caminho, nos leve a um mundo no qual homens e mulheres tenham os mesmos direitos e oportunidades.
Dia Internacional da Mulher?
Sim! Faz todo o sentido!

Teresa Fernandes