“Pensei que fosse correr melhor e que a adesão fosse maior”. Este foi o balanço de Emília Couto, elemento da comissão de festas de Nossa Senhora da Assunção, padroeira de Alvarelhos, sobre a Noite de Tunas, que decorreu na noite de sábado, 5 de abril.

“Só meio salão” assistiu ao espetáculo da Incognituna (Escola Superior de Saúde do Vale do Ave – masculina), a Legislatuna (Tuna Feminina da Faculdade de Direito da Universidade do Porto), a Esepus Tunae (Tuna da Escola Superior de Educação do Porto) e a Magistuna (Escola Superior de Saúde do Ave – feminina), tendo sido angariados “cerca de 400 euros”.

Como “as tunas não cobraram”, Emília Couto fez “um balanço positivo”, caso contrário, afirmou que “não dava para as despesas”.

A comissão de festas já está a preparar mais iniciativas de angariação de fundos, sendo a próxima no dia 13 de maio, com uma peça de teatro pelo grupo os Candalenses, de Vila Nova de Gaia. “Sei que as coisas estão difíceis e não podemos pôr um preço muito alto porque as pessoas também não aderem”, declarou.