“Necessidades Educativas Especiais” debatidas no auditório da Escola Secundária da Trofa, na quinta-feira, dia 6 de junho.

“A experiência das crianças e dos jovens com necessidades educativas especiais na escola, a vivência das famílias com crianças com problemáticas a este nível, a qualificação das pessoas com problemáticas na mesma área e que papel podem desempenhar os municípios na melhoria da qualidade de vida das pessoas com estas necessidades tão específicas” foram alguns dos temas que estiveram em cima da mesa durante o debate sobre as Necessidades Educativas Especiais.

Este foi mais um seminário desenvolvido pela Câmara Municipal da Trofa, no âmbito do Projeto Educativo Municipal, que teve como “ponto central” da discussão o tema “uma escola igual mas que respeite as diferenças”.

A sessão, que mobilizou dezenas de participantes, foi conduzida por vários oradores, entre os quais, Conceição Leitão, da APPACDM da Trofa, Miguel Maia, da Equipa de Educação Especial do Agrupamento de Escolas da Trofa, e Vítor Teixeira, Psicólogo e Professor Auxiliar Convidado na Faculdade de Medicina Dentária da Universidade do Porto, e como moderador Fernando Azevedo, da Associação de Pais e Encarregados de Educação de Alunos com Perturbação do Espectro do Autismo.

Presente na iniciativa esteve Joana Lima, presidente da Câmara Municipal da Trofa, que defendeu que “a nossa rede educativa tem que estar preparada para apresentar respostas concelhias para as necessidades educativas especiais, criando um caminho para a inclusão, traçado com a parceria de diversas entidades que acompanhe os cidadãos ao longo de toda a sua vida”. “E se o papel da autarquia e das escolas é fundamental, nesta área da educação e formação dos alunos com Necessidades Educativas Especiais, importa também perceber que a família tem uma grande importância e deve ser objeto de atenção redobrada”, concluiu.