Parte dele ali jaz, desde o início do inverno quando, num “arrufo” sério de S. Pedro, foi incapaz de suster o ímpeto da chuva. Costuma dizer-se que a antiguidade é um posto mas, neste caso, a velhice acabou, literalmente, por ceder. Parte do muro antigo que delimita um campo e a rua que dá acesso ao Parque das Azenhas a partir da Urbanização da Barca, em S. Martinho de Bougado, caiu, segundo o leitor do NT Ângelo Amaro, “no início do inverno”, devido ao “mau tempo”.
O cenário não passou despercebido às entidades competentes e uma fita delimitadora e informadora do perigo foi lá colocada. Tudo bem até aqui. O problema está, segundo Ângelo Amaro, no facto de “mais nada se ter feito” e, não raras vezes, os moradores andam “de coração nas mãos”, porque “as crianças vão muitas vezes brincar junto ao muro”. “Na situação que se encontra, o muro não dá garantias de sustentabilidade e a todo o momento pode aluir mais. Agora, questiono, será que se irá só fazer algo quando acontecer o pior?”, questionou Ângelo Amaro.