Hospital Conde S. Bento. A antiga designação volta a ser adotada na unidade hospitalar de Santo Tirso, quando esta passar para a alçada da Santa Casa da Misericórdia, no dia 1 de janeiro de 2016.

Depois de muita tinta correr sobre a passagem de gestão do Hospital para a Misericórdia, a provedoria da instituição resolveu quebrar o silêncio para garantir que “em momento algum esteve em causa o Serviço Nacional de Saúde (SNS)”.

Em comunicado, a provedoria assegura que “o acordo de cooperação assinado é inequívoco a esse respeito ao visar a integração de um estabelecimento de saúde pertencente às Instituições Particulares de Solidariedade Social no SNS, o qual passa a assegurar as prestações de saúde nos termos dos demais estabelecimentos do SNS”.
José Pinto lidera a provedoria que encarou o convite do Ministério como “um voto de confiança” e considerou que não aceitá-lo podia “condenar o hospital, involuntariamente, ao encerramento”.

As consultas externas, cirurgias, meios complementares de diagnóstico e o Serviço de Urgência Básica estão assegurados e há a possibilidade de haver outras áreas, mas tal “dependerá da capacidade de gestão do hospital por parte da Misericórdia e a resposta da população ao trabalho a desenvolver”. Já os utentes que necessitarem de reencaminhamento, serão “referenciados para as unidades da Área Metropolitana do Porto”.

Prestar um serviço de saúde “de excelência” e “rigoroso” foram metas traçadas pela Misericórdia, que tendo em vista os “elevados parâmetros de qualidade dos serviços de saúde prestados”, iniciará “um processo de certificação da qualidade” para “recuperar a confiança da população”.

O edifício do Hospital é propriedade da instituição que o criou “há 130 anos” e, aquando da constituição do Centro Hospitalar do Médio Ave, alugou o espaço ao Ministério da Saúde. Por isso, disse a provedoria, “negar a devolução do hospital à Misericórdia seria, de certa forma, negar as origens da própria instituição”.