É madrinha do coro e sempre foi tratada com especial carinho pelo concelho que, este mês, pelas vozes dos Meninos Cantores do Município da Trofa, lhe prestam homenagem com um espetáculo cultural onde música e poesia se fundem em honra de Matilde Rosa Araújo.

Às 19 horas de quinta-feira, 23 de janeiro, no salão nobre da Junta de Freguesia de Covelas, o coro infantil vai cantar músicas e ler histórias da escritora.

Ainda este ano, tem início o programa comemorativo do centenário do nascimento da escritora, com uma série de mini-concertos, a realizar-se de dois em dois meses e com a participação das escolas do concelho.

“Durante os próximos dois anos, as Escolas do Município irão receber a presença da Maestrina dos Meninos Cantores, Antónia Maria Serra, com o objetivo de falar a todos os meninos sobre o carinho de Matilde Rosa Araújo pela Trofa. Cada escola será convidada a trabalhar uma música e um poema para apresentar nas iniciativas públicas com o grupo”, explicou a autarquia em nota informativa.

Nascida em 1921, em Lisboa, a escritora criou uma ligação afetiva com a Trofa, emprestando o nome ao prémio atribuído anualmente ao melhor conto infantil apresentado a concurso no concelho, assim como à sala de leitura infanto-juvenil da Biblioteca Municipal e a uma rua situada na aldeia da Esprela, em S. Martinho de Bougado.

Assistiu a concertos dos Meninos Cantores do Município da Trofa, que interpretaram algumas das suas obras, como “Anjos de pijama” e “As cançõezinhas de Tila”.

Matilde Rosa Araújo assinou mais de 40 livros com contos e poesias para adultos e de mais de duas dezenas de livros para crianças. Dedicou-se à defesa dos direitos dos mais novos, através da publicação de livros e de intervenções em organismos como a UNICEF em Portugal.

A escritora licenciou-se em Filologia Românica pela Faculdade de Letras da Universidade Clássica de Lisboa e foi professora do ensino técnico profissional em várias cidades do país. Também lecionou o primeiro curso de Literatura para a Infância, na Escola do Magistério Primário de Lisboa.

Recebeu o grau de Grande-Oficial da Ordem do Infante D. Henrique e foi distinguida com o Prémio Carreira, da Sociedade Portuguesa de Autores, em 2004. Faleceu em julho de 2010.