quant
Fique ligado

Edição 681

Memórias e Histórias da Trofa: Augusto César Salgado

Publicado

em

Nascido a 12 de outubro de 1867, na freguesia de S. Nicolau (Porto), apesar de os seus pais viverem à época em Santiago de Bougado, Augusto Salgado iria regressar à Trofa certamente com dias de vida. O facto de ser o único filho a nascer fora da Trofa pode dever-se à idade da sua mãe e ao facto de ter tido outros filhos e num desses partos poderem ter surgido complicações. Assentou praça no exército luso no dia 27 de outubro de 1887, como voluntário para servir por 12 anos no Regimento de Caçadores n.º 9, que era localizado na cidade do Porto e que foi sendo desmantelado pelos poderes governativos e pelo permanente carácter revolucionário dos seus militares.

Foi promovido a cabo em 30 de abril de 1888 e promovido a 2.º sargento em poucos meses. É importante referir que o seu curso de cabo foi feito com sucesso e distinção.

O falhanço do 31 de Janeiro de 1891, no Porto, fez com que ele tivesse de fugir e ser refugiado político, passando por Espanha, onde fez parte da célebre fotografia dos exilados do 31 de Janeiro em Espanha.

Acabaria por encontrar refúgio no Brasil, aproximadamente em 1906, com o apoio de quem viria a ser seu sogro, e a sua primeira esposa ia falecer em território brasileiro. Fixou residência em Piracicaba, um município do interior do estado de São Paulo onde constituiu família e, no presente, ainda tem descendência em território brasileiro noutra localidade.

O seu percurso social naquele território foi simplesmente fantástico: foi responsável por reger os estatutos da Sociedade Portuguesa de Beneficência de Piracicaba, professor e secretário da atual Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” da Universidade de S. Paulo e membro da fundação de um clube para os portugueses se poderem encontrar e conviver.

Partiria para Portugal, em 4 de janeiro de 1911, com a sua família a procurá-lo a 19 de maio de 1919, porque estranhamente se deslocou ao nosso país, não deixando mais rasto da sua existência para os seus.
Nesta fase em que esteve incontactável, chegou a ser presidente da Câmara de Municipal dos Arcos de Valdevez por alguns meses após nomeações do governo em 1913. Relativamente ao seu percurso militar, é importante referir que seria promovido a Alferes, em 11 de maio de 1904, e a Tenente, a 1 de dezembro de 1908, conforme consta da documentação de 15 de novembro de 1910, assinada nos Paços do Governo da República. Uma forma de compensar o contributo dos militares republicanos aquele tipo de medidas. Os últimos meses da sua vida foram dramáticos. Deu entrada no Hospital Militar do Porto, em 21 de dezembro de 1921, e iria falecer vítima de cancro, a 2 de fevereiro de 1922, supostamente sozinho e com graves problemas financeiros. Uma vida preenchida e intensa de um cidadão que passou a sua infância na Trofa e que só após a morte do seu pai se viu obrigado a procurar um novo destino através do Colégio dos Órfãos do Porto.

José Pedro Reis

Continuar a ler...
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.

Edição 681

O speaker de que se fala

Publicado

em

Por

Emanuel Gomes é apaixonado pela “comunicação motivacional” e, num curto espaço de tempo, ganhou espaço na apresentação de diversas provas desportivas, com maior evidência no BTT. A “fama” foi alcançada na edição de estreia do Raid BTT da Trofa e, atualmente, é raro não o ver apresentar provas na região, nessa modalidade, mas também no atletismo e trail.
Natural de Alvarelhos, este licenciado em Português e História e mestre em Ciências da Comunicação sempre esteve ligado ao desporto e, a par da prática, é fascinado pela vertente logística das provas. Em entrevista ao NT, explicou como notou a falta de “uma voz que explicasse, sobretudo aos visitantes, os costumes, as tradições, a história e a gastronomia” dos locais onde decorriam as competições. Assumiu esse papel e este ano quase não conseguiu arranjar agenda para trocar o microfone pelo dorsal. Ainda assim, reservou “seis datas” para cumprir o Campeontato Nacional de Trail e forrar esses dorsais às já preenchidas paredes de uma das divisões de casa.

Leia a entrevista completa na edição 681 d’O Notícias da Trofa, já nas bancas.

Continuar a ler...

Edição 681

Trofa tem campeão de danças de salão

Publicado

em

Por

Começou a dançar em janeiro e não tinha objetivos competitivos ambiciosos este ano, mas a verdade é que em menos de um ano conseguiu subir ao lugar mais alto do pódio. Dinis Rocha é da Trofa e já conta com dois títulos nacionais de danças de salão, com o par Maria Cabral. 

A representar a escola Apolo, de Vila Nova de Famalicão, Dinis e Maria iniciaram a competição em janeiro, tendo arrecadado o título de campeões nacionais em Juvenis Standard e Juvenis Latinas, no início de novembro, no concelho de Vila Nova de Famalicão, tendo confirmado o favoritismo no fim de semana passado, com a conquista da Taça de Portugal nas mesmas categorias, no Entroncamento. A nível regional, alcançaram também o 1.º lugar de Latinas, em Tui, Espanha.

“É fora do comum conseguirem ser campeões nas duas categorias, pois muitos pares especializam-se só num estilo, mas é muito difícil serem os melhores nos dois estilos”, evidenciou o Dário Rocha, pai do pequeno Dinis, que tem agora nove anos.

A vitória, acrescentou, “foi um momento feliz para eles, mas o resultado de muito trabalho e dedicação” em conjunto com a professora, Bárbara Ribeiro, conhecida pela participação no programa de televisão Dança com as Estrelas, pelos resultados competitivos vistosos a nível nacional e internacional. Ela foi uma das principais razões que fizeram Dinis escolher a escola Apolo.

Para completar a fórmula para o sucesso, junta-se o bom relacionamento entre os bailarinos. “Tão pequeninos, mas tão trabalhadores, focados e dedicados. Nunca discutem, nunca se chateiam, sempre em sintonia um com outro e quando algo corre mal, apoiam-se sempre um ao outro”, contou o pai do jovem trofense.
O par treina, em média, três vezes por semana e os campeonatos são quase todos no sul do país, o que obriga “a deslocações longas constantes”. “Mas quem corre por gosto não cansa”, garante Dário Rocha.

Continuar a ler...

Edição Papel

Comer sem sair de casa?

Facebook

Farmácia de serviço

 

arquivo

Neste dia foi notícia...

Ver mais...

Covid-19

Pode ler também

} a || (a = document.getElementsByTagName("head")[0] || document.getElementsByTagName("body")[0]); a.parentNode.insertBefore(c, a); })(document, window);