Alguns dos melhores atletas nacionais de Boccia estiveram na Trofa, no passado sábado, para participar numa etapa do Campeonato Nacional da modalidade, uma das mais medalhadas nos Jogos Paraolímpicos.

O Pavilhão Desportivo da Escola E.B. 2,3 de S.Romão do Coronado abriu as suas portas a uma das etapas do Campeonato Nacional de Boccia – Zona Norte, que juntou cerca de 60 atletas da modalidade nas categorias BC1, BC2, BC3 e BC4.

A competição, promovida pela autarquia da Trofa em parceria com a Paralisia Cerebral – Associação Nacional de Desporto (PCAND), reuniu na Trofa alguns dos melhores atletas nacionais da modalidade, entre eles vários medalhados nos últimos Jogos Paraolímpicos de Pequim.

“Algo com que nos preocupamos bastante é com a divulgação desta modalidade pelo país todo, já que é conhecida e que não existe como prática comum. Isto permite-nos dar a conhecer uma nova modalidade e mostrar as capacidades e potencialidades dos jogadores deste desporto”, explicou ao NT/Trofa Tv Joaquim Viegas, presidente da PCAND. De acordo com o responsável, estiveram reunidos na Trofa “cerca de um quarto dos jogadores a nível nacional e mais de 50 por cento dos jogadores de Boccia que estiveram em Pequim, alguns deles medalhados”. É o caso de João Paulo, vencedor da medalha de ouro na classe individual de BC1. Em entrevista ao NT/Trofa Tv, o atleta afirmou estar “muito orgulhoso” do título conquistado em Pequim”. “Valeu a pena o esforço e a preparação exigida por toda a equipa que me apoiou”, contou, acrescentando que na Trofa a participação “correu muito bem e como esperado”.

Satisfeito por receber no concelho trofense atletas de topo de uma das modalidades melhor representadas nos Jogos Paraolímpicos ficou também Jorge Antunes, Chefe da Divisão de Desporto e Juventude da autarquia. “Receber uma prova destas com estes jovens desportistas, nesta modalidade tão difícil como é o Boccia, é para a Trofa um orgulho e uma satisfação muito grande”, afirmou ao NT/Trofa Tv. Segundo o responsável da autarquia, este torneio é “um exemplo para os nossos jovens”, dos quais destacou “os da Escola Secundária da Trofa, que receberam formação específica e que apoiaram tecnicamente a organização”. “Ainda a própria APPACDM que se disponibilizou para nos ajudar e apoiar naquilo que fosse necessário ao nível desta prova”, realçou ainda.

Criada inicialmente como um desporto para pessoas com paralisia cerebral, actualmente a modalidade de Boccia pode ser praticada por atletas com várias deficiências. Cada jogador ou equipa dispõe de seis bolas de cor e tenta arremessá-las o mais próximo possível do alvo, a bola branca, lançada no início de cada parcial. O objectivo é fazer chegar as bolas de cor o mais perto possível da bola branca, mantendo as da equipa adversária afastadas.