A tensão arterial (ou pressão arterial) corresponde à pressão com que o sangue circula nas principais artérias do corpo. Esta pressão com que o sangue circula é maior no momento em que o coração bate (onde se atinge a tensão arterial sistólica, que normalmente se chama “máxima”) e é menor quando o coração relaxa, entre os batimentos cardíacos (atingindo-se a tensão arterial diastólica ou “mínima”).
A tensão arterial é dinâmica, o que quer dizer que tem variações em cada momento, como forma do corpo se adaptar a diversas situações. Por exemplo, se praticar exercício físico ou estiver numa situação de ansiedade ou de dor, é esperado que a tensão arterial suba e isso pode ser normal. Se fumar ou tomar café, estas substâncias vão levar a um aumento da tensão arterial. Perante um valor elevado, nem sempre estamos perante uma situação fora do normal e é preciso saber interpretar o contexto e o que isso significa.
Considera-se habitualmente que a tensão arterial deve estar abaixo de 140/90 mmHg (isto é, abaixo de 140 mmHg de “máxima” e 90 mmHg de “mínima”). Embora não seja o mais correcto, as pessoas habitualmente simplificam estes valores referindo-se ao valor “140” como “14” e ao valor “90” como “9”. Desta forma poderia dizer-se que o valor normal deve estar abaixo de “14” de máxima e “9” de mínima.
Para se dizer que uma pessoa é hipertensa (ou seja, que tem o diagnóstico de “Hipertensão Arterial”) não basta ter a tensão arterial elevada apenas num determinado momento. Geralmente tem que se verificar a tensão elevada em vários momentos ao longo do tempo (várias semanas) e tem que se medir a tensão arterial de forma correta.
A medição da tensão arterial é um ato muito frequente, tanto no contexto de consultas médicas como nas farmácias ou mesmo em casa. No entanto, por vezes não são seguidas todas as regras para que a medição seja rigorosa. Se não aplicar as regras, não pode confiar no valor de tensão arterial que o aparelho apresenta, logo não pode tirar conclusões sobre esse valor.
A medição deve ser efetuada num ambiente acolhedor (calmo e com temperatura confortável) e sem pressa. Deve ser feita a medição na posição sentada, com a pessoa relaxada e esperar 3 a 5 minutos antes de começar. Deve ter a bexiga vazia e não ter fumado nem ingerido estimulantes (café, por exemplo) na hora anterior. A medição deve ser feita no braço (ou seja, a braçadeira fica ao nível do coração) e o membro superior tem que estar desnudado. Deve medir a tensão arterial pelo menos duas vezes, com um intervalo de um a dois minutos entre medições. Se os valores na primeira e segunda medição forem muito diferentes, deve medir mais vezes.
Se for hipertenso ou estiver a fazer essas medições a pedido do médico, aponte a data, hora e o valor da tensão arterial para ficar com um registo ao longo do tempo. Estes valores são difíceis de memorizar e essa informação pode ser muito importante para o médico.
Além destas regras, o aparelho que utiliza é importante. Se tiver um aparelho de medir a tensão arterial no pulso, provavelmente não é adequado. Os aparelhos que estão validados para medir corretamente a tensão arterial são maioritariamente no braço, mas mesmo assim isso não se aplica a todas as marcas. Se tiver dúvidas sobre o seu aparelho, deve conversar com o seu Médico de Família e esclarecer se deve ou não utilizá-lo.