quant
Fique ligado

Trofa

Jipe conduzido por padre Luciano Lagoa já chegou à Guiné-Bissau, para ajudar Diocese de Bafatá

Publicado

em

O pároco de Canidelo (Vila Nova de Gaia), na Diocese do Porto, afirmou que “foi toda a paróquia” que fez a viagem solidária até “à Guiné”, para entregar um jipe à Diocese de Bafatá.

“Tenho a esperança de que os paroquianos tenham essa consciência, que é uma paróquia missionária”, disse hoje o padre Almiro Mendes, à margem da visita ao orfanato de Bambaram.

Em declarações à Agência ECCLESIA, o sacerdote realçou que numa “dinâmica de solidariedade e abraço à Guiné-Bissau” “não” foi apenas o pároco que viajou com um jipe para a Diocese de Bafatá, oferecido pelo bispo do Porto D. Manuel Linda, mas “todos” na comunidade paroquial em Vila Nova de Gaia.

Para o pároco de Canidelo, que já viveu durante um ano inteiro em missão no país lusófono, quando se vai para a Guiné atraca-se “num porto de dificuldades, de sofrimentos”.

“Magoamo-nos muito nas feridas desta gente. Sempre me magoei muito na dor alheia na Guiné”, observa, referindo que quando se parte vai “todo esse mundo de sofrimento, mas também a vontade de voltar”.

Neste contexto, regressar ao “5.º país mais pobre do mundo”, para levar um jipe que vai “salvar vidas”, porque também funciona como ambulância, para o padre Almiro Mendes “é sempre uma graça”.

A viagem começou a 3 de fevereiro, no paço episcopal do Porto, e os missionários – 4 padres e quatro leigos em dois veículos – fizeram 5800 quilómetros passando por Espanha, Estreito de Gibraltar, Marrocos, Saara Ocidental, Mauritânia, Senegal até à Guiné.

“Os veículos foram absolutamente heróis e os passageiros ainda mais, alguns de nós ficaram com gripe e algumas dificuldades, mas conseguimos superar tudo”, assinalou na véspera dos sacerdotes regressarem ao Porto, desta vez a viagem é de avião.

Publicidade

O padre Almiro Mendes explicou que as estradas “são muito más”, por exemplo, atravessaram a Mauritânia que tem “um piso absolutamente tenebroso”, mas os carros “aguentaram muito bem”.

“Uma viagem que não é fácil, nem rápida, impõe muitas dificuldades pela distância, pelo estado das estradas, dificuldade em passar fronteiras, mas correu muito bem, foi uma viagem com muito sucesso”, desenvolveu.

O sacerdote que viveu este gesto de solidariedade pela sexta vez adianta que todos as outras viaturas estão a “funcionar”, e a primeira foi oferecida em 2007, quando ainda era pároco de Ramalde (Porto).

“É uma das coisas que me deixa jubiloso e feliz, saber que todos os carros estão todos a funcionar”, revelou, assinalando que, “às vezes, nem aos olhos se consegue negar as lágrimas” por pisar o chão de “um povo tão sofredor, tão pobre”.

Com o padre Almiro Mendes, no jipe oferecido pelo bispo do Porto, foram mais três sacerdotes – os párocos de Oliveira do Douro (Vila Nova de Gaia), da Trofa e de Macieira da Lixa (Felgueiras).

À viagem associaram-se quatro leigos que levaram uma pick-up para ficar ao serviço de uma ONG e, futuramente, vai ser enviada também uma ambulância, oferecida pelos Bombeiros de Vila Meã ao “único hospital pediátrico” de Bissau, que, deve ir de barco porque “não pode atravessar o deserto”.

“É admirável como é que também os leigos se associam a esta dinâmica de solidariedade; é também a sociedade civil empenhada nesta causa”, disse o padre Almiro Mendes sobre a participação dos leigos e dos bombeiros, no início deste mês antes da viagem começar.

Publicidade

O gesto de solidariedade da Diocese do Porto, através do seu bispo que também transferiu uma “considerável quantia de dinheiro para ajudar as missões mais pobres”, dá continuidade a uma colaboração com a diocese lusófona da Guiné-Bissau iniciada em 2005.

Fonte Agência Eclesia

Continuar a ler...
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.

Covid-19

Legislativas: Governo recomenda que eleitores em confinamento votem entre as 18:00 e as 19:00

O Conselho de Ministros aprovou hoje uma norma que contempla uma exceção para as pessoas em situação de confinamento obrigatório devido à covid-19 poderem sair de casa a 30 de janeiro para votarem.

Publicado

em

Por

O Governo recomendou hoje aos eleitores que se encontram em confinamento obrigatório devido à covid-19 para votarem a 30 de janeiro entre as 18:00 e as 19:00, aconselhando os restantes cidadãos a fazê-lo entre as 08:00 e as 18:00.

O Conselho de Ministros aprovou hoje uma norma que contempla uma exceção para as pessoas em situação de confinamento obrigatório devido à covid-19 poderem sair de casa a 30 de janeiro para votarem.

“O Governo recomenda que as pessoas que não estão confinadas votem no período entre as 08:00 e as 18:00 e as pessoas que estão em confinamento, e que nesse dia vão poder sair, exerçam o direito de voto entre as 18:00 e as 19:00”, disse a ministra da Administração Interna Francisca Van Dunem, na conferência de imprensa após o Conselho de Ministros

A ministra ressalvou que o Governo “não tem poderes para impedir as pessoas de votarem no horário que entenderem”, mas confia no civismo que os portugueses têm demonstrado.

A norma de exceção foi aprovada pelo Governo após o parecer do conselho consultivo da Procuradoria-Geral da República (PGR) que concluiu que os eleitores sujeitos a confinamento obrigatório devido à covid-19 podem votar presencialmente a 30 de janeiro para as eleições legislativas.

“O Governo tem a expectativa que esta recomendação seja ouvida e acatada, tal como as anteriores”, afirmou, sublinhando que “a única garantia” sobre a deslocação às urnas dos eleitores confinados entre as 18:00 e as 19:00 “é o histórico do comportamento exemplar” dos portugueses durante a pandemia.

Para a ministra, a segurança do direito ao voto “depende muito da atitude individual de cada um”.

Publicidade

Francisca Van Dunem disse também que o Governo não fez a recomendação para serem criadas circuitos alternativos para os eleitores em isolamento votarem, explicando que “não é possível nesses espaços haver espaços diferenciados”.

A criação de circuitos alternativas, uma possibilidade avançada pelo conselho consultivo da PGR, constituiu, segundo a ministra, uma “dificuldade de operacionalização”.

A governante frisou que esta questão é da responsabilidade das autarquias e que os municípios vão “observar as regras o mais possível”, nomeadamente o arejamento dos espaços e o distanciamento.

A ministra afirmou igualmente ser importante que “as pessoas tenham a preocupação de observar as regras de proteção”, como o uso da máscara, higienização das mãos e distanciamento social, além dos eleitores levar uma “esferográfica individual” para votar.

Relativamente às pessoas que estão nas mesas de voto, a ideia é “reforçar o nível de proteção dessas pessoas”.

Francisca Van Dunem recordou ainda que diariamente há um número muito grande de pessoas em confinamento e que a lei já prevê que possam sair de casa para tratar de questões de saúde, segurança social e fazer testes de diagnóstico à covid-19.

“Temos um contingente de pessoas que se desloca e até hoje não há indicação de que daí tenham resultado cadeias de transmissão autónomas”, disse.

Publicidade
Continuar a ler...

Trofa

Trofa dota escolas e espaços publicos de rede wifi

Está concluído o processo de capacitação por rede wireless levado a cabo pela Câmara Municipal da Trofa nas escolas e espaços públicos do concelho.

Publicado

em

Por

Está concluído o processo de capacitação por rede wireless levado a cabo pela Câmara Municipal da Trofa nas escolas e espaços públicos do concelho. Ao todo, a autarquia investiu mais de 50 mil euros nesta medida, que envolveu a dotação de 17 escolas básicas com rede WiFi e integrou a comparticipação por fundos comunitários no investimento em wireless nos espaços públicos.

“Um importante passo dado na modernização tecnológica do Concelho e uma oportunidade de aproximar os mais jovens dos espaços públicos locais”. É assim que Sérgio Humberto, Presidente da Câmara Municipal da Trofa, carateriza o investimento da Autarquia em rede WiFi, agora concluído. A medida, envolveu a capacitação com rede wireless de 17 escolas e vários espaços públicos do Concelho.

No que às escolas diz respeito, a Câmara Municipal investiu 20 mil euros para dotar 17 espaços escolares, sob gestão direta da Autarquia, com rede wireless, concretamente a EB1 de Feira Nova, a EB1 de Paradela, a EB1 de Giesta, a JI de Giesta, a EB1 da Vila, a EB1/JI de Esprela, a EB1 da Estação, a Escola Básica de Lagoa, a Escola Básica de Cedões, a Escola Básica de Querelêdo, a EB1/JI de Bairros, a Escola Básica de Ginzes, as Escolas Básicas do Cerro 1 e Cerro 2, a Escola Básica de Portela, a Escola Básica de Fonteleite e a Escola Básica de Paranho.

Já no que aos espaços públicos diz respeito, a instalação de redes Wi-Fi gratuita por parte do Município da Trofa surgiu de uma candidatura a financiamento da Comissão Europeia, que envolveu a comparticipação de fundos em 15 mil euros para a implementação do projeto “WiFi4EU”, que garante cobertura wireless em espaços como parques, museus e edifícios públicos.

A utilização de WiFi nestes espaços públicos, concretamente na Alameda da Estação, nos Parques Nossa Senhora das Dores e Dr. Lima Carneiro e na Casa da Cultura da Trofa, envolveu um investimento superior a 30 mil euros e é gratuita para munícipes e visitantes.

Fonta CM Trofa

Continuar a ler...

Edição Papel

Comer sem sair de casa?

Facebook

Farmácia de serviço

 

arquivo

Neste dia foi notícia...

Ver mais...

Covid-19

Pode ler também