O Ministro da Inovação Manuel Pinho entregou na semana passada o diploma Inovação e Excelência à Frezite e à Irmãos Vila Nova, empresas sediadas na Trofa e em Vila Nova de Famalicao. As duas empresas pretende instalar alguns dos seus centros produtivos na ALE Trofa, que a autarquia pretende construir junto à saída da A3.

"Desburocratizar" foi a palavra de ordem deixada por Manuel Pinho, Ministro da Inovação na visita à Frezite Metal Tooling (FMT) e à empresa irmãos Vila Nova, detentora da marca de vestuário Salsa, em resposta ao pedido de Bernardino Vasconcelos, presidente da autarquia trofense, para "acelerar" o processo de licenciamento da Area de Localização Empresarial da Trofa (ALET).

Manuel Pinho entregou Diploma Inovação e Excelencia a Filipe Vila Nova, administrador da SalsaManuel Pinho ouviu Filipe Vila Nova da Salsa dizer "serei o primeiro a instalar-me da ALE da Trofa", e escutou José Manuel Fernandes dizer que "a construção já vem um pouco tarde, a ALET já deveria estar concluída. Se assim fosse a FMT já lá estaria instalada", assegurou.

O presidente do conselho de administração da recém criada holding Frezigest SGPS, fez questão de gravar na placa de inauguração das instalações a palavra, "provisórias", já que, segundo Fernandes "é nosso propósito, assim que possível instalar a FMT na ALET", explicou.

A empresa aposta na formação superior e está a recrutar um engenheiro para avançar com o projecto no Brasil e a procurar um novo parceiro na Índia.

Para José Manuel Fernandes, a internacionalização e entrada nos mercados mais competitivos são dois dos segredos do sucesso da Frezite. "Desde início que entendemos que nos deveríamos confrontar com os mercados onde está o nosso sector, Ministro visitou a Frezite para reconhecer o trabalho desenvolvido pela empresa trofensepois só assim conseguimos criar valor e crescer", referiu presidente da empresa.

Na cerimónia de entrega do diploma Inovação e Excelência, José Manuel Fernandes destacou ainda a importância que a inovação tem para a empresa. "Sempre entendemos que deveríamos estar atentos às tendências do mercado e manter as portas abertas para as receber", referiu.

Por seu turno, Manuel Pinho salientou o facto de serem produzidas na Frezite "ferramentas para as máquinas que fazem alguns dos motores das maiores marcas do mundo", como os da Williams para os seus veículos da Fórmula 1.

Criada recentemente, a holding Frezigest SGPS alberga as duas principais divisões: a de metal – a Frezite Metal Tooling (FMT) – e da madeira – com a Frezite Madeira. Além de uma partilha de serviços, como os financeiros, a gestão e de e inovação.

Salsa já vende na China

"Já vendi um par de jeans na china por 270 dólares". De acordo com o presidente do conselho de administração da Salsa, Filipe Vila Nova, "a China é um país que impõe algumas taxas de importação, o que complica a nossa tarefa". Por isso, e antes de aprofundar as relações mantidas com este mercado, a empresa de Vila Nova de Famalicão está a rever a sua estratégia de acção.

Apesar de ter fechado o ano 2006, com um volume de negócios de 70 milhões de euros e uma quota de exportação de 3o por cento da facturação a salsa quer alargar o seu mercado a oriente.

A empresa marca presença em 14 países, com destaque para a Espanha. Neste país, a Salsa tem mesmo 13 lojas.obre a penetração no mercado da República Popular da China esclareceu que está a ser feita em parceria com um empresário local, estando a marca presente em três cidades, com destaque para Xangai e Hong Kong.

"A venda de jeans a 270 dólares mostra que temos qualidade", vincou o administrador.

A holding do grupo Salsa gere três empresas, uma industrial, outra de distribuição e gestão da marca e uma terceira de imobiliário, tendo 970 colaboradores.