A Festa da Fonte, uma tradição quase centenária em Covelas, voltou a encher de cor e música as ruas daquela freguesia, através do grupo de jovens “Crescer Unidos”.

 

 

As raparigas com avental e saia rodada e os rapazes com lenço no pescoço e chapéu de palha, o grupo de jovens “Crescer Unidos”, em Covelas, recriou, no domingo à tarde, uma antiga tradição da freguesia: a Festa da Fonte.
O calor abrasador que se fez sentir, atrasou o início da marcha até à fonte que existe nas proximidades da Capela de S. Gonçalo, mas os 22 jovens que compõem o grupo “Crescer Unidos” lá saíram à rua com os cântaros e os arcos coloridos, acompanhados com marchas e cânticos. Junto à fonte estavam os populares, que aguardavam a chegada dos jovens para reviverem as emoções do passado e da festa que juntava os mais novos numa festa junto à mais antiga mina de água da freguesia. Este é o quarto ano que a iniciativa é promovida em Covelas. Rosa Lage é a responsável pelo grupo e foi quem sugeriu a recriação da Festa da Fonte. “É uma festa muito interessante”, garantiu.
Esquecida no tempo, há cerca de 50 anos que a festa não se realizava em Covelas, mesmo sendo uma romaria com mais de um século de existência. Antigamente, os jovens iam à fonte, que fornecia água a toda a aldeia, com os “cântaros e as rodilhas na cabeça”, e ocupavam o tempo com brincadeiras nesse mesmo local. No final do mês de Junho, em época de S. Pedro, os jovens promoviam um “bailarico”, com cânticos e danças: “Reuniam-se, brincavam, comiam tremoços e roubavam maçãs dos lavradores”, contou Rosa Lage, relembrando que era dessa forma que “eles se divertiam”. Para aprimorar a festa, raparigas e rapazes “arranjavam música e enfeitavam cordas com farinha de trigo e papéis para enfeitar a fonte”. A responsável do grupo, quando ficou a conhecer a tradição, decidiu que “valia a pena fazer ressurgir esta tradição”. “Claro que tentámos acrescentar alguns pormenores, melhorando a marcha, as danças e mesmo as roupas”, esclareceu. Há meio século, raparigas e rapazes iam à fonte com a “roupa de Domingo”. Os jovens do grupo “Crescer Unidos” vestiram roupas mais frescas e leves, que se adequam mais à sua idade e dão cor a toda a actividade.
Para preparar a Festa da Fonte, os jovens trabalharam “arduamente” durante toda a semana para limpar a fonte e enfeitar o local e para fazer os arcos para a marcha. Os pais ajudaram a confeccionar as roupas e as floristas ajudaram com as flores dos ramos.
Este ano, a iniciativa contou o apoio do TCA (Trofa Comunidade de Aprendentes), através do grupo de cavaquinhos e do grupo de canto, de Alvarelhos, que também se incorporaram na marcha.