A Comissão Social de Freguesia de S. Martinho de Bougado organizou uma Manhã Desportiva Solidária, que envolveu cerca de mil de pessoas, que quiseram contribuir para a criação de um Fundo de Emergência Social.

Enquanto dezenas amantes de bicicleta saíram do Parque Nossa Senhora das Dores, em direção à Rua Infante D. Henrique, cerca de mil pessoas partiram em direção à Rua Camilo Castelo Branco para uma caminhada de cinco quilómetros, depois de feito o aquecimento ao som da música e de exercícios de Body Combat. Uma forma de, a pé ou de bicicleta, aliarem o desporto a uma causa solidária, contribuindo para a criação de um Fundo de  Emergência Social, através da Comissão Social de Freguesia (CSF) de S. Martinho de Bougado. 

Na manhã de domingo, muitas foram as pessoas, entre autarcas do executivo municipal e da Junta de Freguesia de S.  Martinho, que aceitaram a proposta da CSF de S. Martinho e deslocaram-se ao Parque Nossa Senhora das Dores para participarem nas várias propostas de atividades desportivas, contribuindo com dois euros para esta causa. A manhã desportiva começou com um passeio pelos amantes de bicicleta, celebrando também o aniversário do Clube de Cicloturismo da Trofa, que contou com a participação de 80 betetistas. Para quem não alinhou  estas práticas, e preferiu o sossego do parque havia a possibilidade de conhecer o trabalho de algumas associações, que presentearam os presentes com demonstrações de atletismo, kickboxing, mini basquetebol e prova de orientação.

Para José Sá, presidente da CSF de S. Martinho de Bougado, o “objetivo foi alcançado” e com “sucesso”, uma vez que conseguiu angariar 1600 euros, que serão muito úteis na ajuda de muitas famílias que estão a viver em “situações de carência”, já que vai ser possível “comprar as coisas que são necessárias para as pessoas que estão carentes”. Houve uma necessidade de organizar uma iniciativa solidária, pois, segundo José Sá, tem-se notado “um aumento gradual das carências das muitas pessoas que batem à porta todas as semanas”. Por essa razão, e juntamente com os parceiros sociais, a CSF de S. Martinho de Bougado decidiu promover esta atividade, para que possa “responder às muitas situações que têm aumentado gradualmente”. 

Já José Magalhães Moreira, presidente do Conselho Local de Apoio Social (CLAS), afirmou que este tipo de iniciativas são “importantes”, pois consciencializam a comunidade para a “verdadeira situação” que se está a viver, levando-a a perceber das “necessidades que, infelizmente, cada vez mais estão a aumentar em termos de assistência  social” no concelho e em todo o País. “É importante que instituições como as comissões sociais de freguesia comecem a organizar este tipo de eventos, porque mobiliza completamente a população, consciencializa e faz com que as situações que todos os dias nascem possam, não ter soluções completas, mas pelo menos minorar o sofrimento”, avançou.

Magalhães Moreira estava “um pouco emocionado”, pela adesão que houve, denotando que uma vez mais se vê que “o povo da Trofa é um povo solidário e é um povo dinâmico, que se mobiliza para as causas e para os  valores”. “A maioria das regalias, aquilo por que se andou a conquistar após o 25 de Abril, vai regredir e espero que não para o tempo de antes do 25 de Abril. Espero não voltar às sopas dos pobres e espero não voltar a que  cada freguesia tenha um dia certo para as pessoas irem bater à porta pedir um tostão”, afirmou, referindo que este é o momento de todos juntos “darem as mãos e trabalharem em uníssono”. O presidente do CLAS denotou o trabalho desenvolvido pelas comissões sociais de freguesia, pois, como “integram todas as instituições privadas de solidariedade social que existem na freguesia”, evitam “duplicação de apoios”.

{fcomment}