Mesmo o governo tendo suspenso a atribuição dos prémios de mérito aos melhores alunos do 12º ano a Escola Secundária da Trofa homenageou os seus alunos e atribuiu-lhes os diplomas de mérito e de 12º ano.

O salão nobre da Junta de Freguesia de S. Martinho de Bougado encheu-se de professores, encarregados de educação e alunos para assistirem à entrega dos diplomas de 12º ano da Escola Secundária da Trofa. Na comemoração do dia do diploma, 30 de setembro, cerca de 200 alunos foram homenageados e recebendo uns o diploma de 12º ano e outros o diploma de mérito. Para Denis Rio, diretor da Escola Secundária da Trofa, esta é uma iniciativa “extremamente importante” que engloba “todos os alunos que concluíram o 12º ano e para além desses alunos também aqueles que se distinguiram em termos de média os três primeiros de cada um dos anos”.

Patrícia Andrade, Miguel Oliveira e Carolina Maia foram três dos felizes contemplados com o diploma de mérito. O rosto de Patrícia Andrade irradiava luz. Para esta jovem trofense o esforço despendido ao longo do ano foi compensador. “É muito bom sermos avaliados pelo nosso mérito. É satisfatório”, asseverou. Para alcançar este patamar a jovem teve de estudar muito e contar também com o “apoio dos amigos e familiares”.

Para o futuro médico, Miguel Oliveira, a diferença entre um bom e um mau aluno está no tempo dispensado por cada um para o estudo. “É preciso muito trabalho e muito esforço e cada pessoa é que decide se pretende Pdespender mais ou menos tempo neste trabalho e nesta escola”.

Já Carolina Maia acredita que “o esforço é sempre recompensado” e que o facto de ter ouvido a “opinião dos mais velhos, amigos e professores” fez com que conseguisse chegar a este patamar.

Em vésperas da entrega dos diplomas o governo suspendeu a atribuição dos prémios de mérito aos melhores alunos, no valor de 500 euros. Para o executivo da Escola Secundária da Trofa esta foi uma medida bem aceite uma vez que esse dinheiro será aplicado na escola em material para usufruto dos alunos. “Nós encarámos essa medida de modo positivo, obviamente que temos pena que os alunos não recebam o dinheiro. Iremos ouvir os alunos e iremos investir o dinheiro na própria escola como por exemplo em livros e material multimédia”, afirmou Denis Rio.

Já para a vereadora da Educação da Câmara Municipal da Trofa, Teresa Fernandes, esta medida não passa de uma “alteração das regras no final do jogo”. “Acho que esta não foi a melhor altura para se fazer essa alteração. Acho que os alunos que terminaram o ano letivo 2010/2011 deveriam receber o prémio monetário e essa introdução deveria ser feita nos próximos anos letivos. No fundo alteraram as regras no final do jogo e penso que foram criadas expectativas nos alunos e certamente que muitos deles estariam a contar com os 500 euros”, asseverou.

Nesta iniciativa também esteve presente a presidente da autarquia, Joana Lima bem como Mário Pinto, presidente do conselho geral da escola Secundária da Trofa e Paulo Ferreira, presidente da Associação de Pais da Escola Secundária da Trofa.

{fcomment}