A Feira Anual da Trofa é aproveitada pelas empresas para dar a conhecer a sua marca, as últimas novidades e até mesmo para fazer promoções.

Presença assídua na Feira Anual da Trofa é a empresa M.J. Araújo, sediada em Palmeira, no concelho de Santo Tirso, que representa a marca Husqvarna. Motosserras, roçadoras, corta relvas, tratores de jardim, robôs corta relvas, sopradores, aparadores de relva e “máquinas de cortar mato” foram alguns dos produtos apresentados durante o certame e “a bons preços”. Manuel Araújo, responsável da M.J. Araújo, referiu que representa uma marca que é “muito conhecida mundialmente” e, por essa razão, “o cliente já os procura” porque sabe que têm “um bom produto tanto para servir a nível profissional como para uso doméstico”.
Nos últimos anos, a empresa tem apresentado, como “chamariz”, um escultor, que, com recurso a motosserra, faz figuras em madeira.
Também “presença habitual” nesta Feira Anual é a empresa Sojagado, que apresenta “todos os produtos das áreas de negócio dos alimentos compostos”, dando “prioridade ao setor leiteiro, que é a base pecuária da feira”, referiu Rui Alves, diretor adjunto do Departamento de Alimentos Compostos Sojagado. “Geralmente para a nossa área, estas feiras nunca são para grandes negócios, mas para marcarmos presença e estarmos com os nossos clientes”, justificou.
Apesar de o tempo ter “limitado um bocadinho em termos de público”, o diretor adjunto afirmou que “os clientes que vieram eram aqueles que estavam interessados”, assim como os seus “clientes crónicos”, que os visitam sempre que estão presentes neste certame. Para Rui Alves, estas feiras são “importantes”, “principalmente” para “inverter a situação” do setor leiteiro, que “está a atravessar uma crise já de há uns anos para cá”, sendo já visível a participação de “muita juventude nos concursos para tentar impulsionar a atividade”. “Claro que há outros constrangimentos, como o preço do leite e o das rações, que estão sempre a subir, e tudo isso condiciona”, denotou.
Já há “muitos anos” que a CAFO Green, situada junto à Escola Secundária da Trofa, marca presença na Feira Anual, para “tentar fazer o seu negócio”. Este ano, declarou Carlos Oliveira, “uma das novidades” foram “as máquinas a bateria”, tendo esta sido uma oportunidade para “dar informação às pessoas para terem conhecimento deste novo produto que têm agora”.

Máquina cem por cento trofense reaproveita biomassa florestal
A CAFO Green fez “uma parceria” com as Máquinas Avelino Carneiro, para “vender uma máquina de triturar”, utilizada para “fazer as limpezas das bouças”, e que foi apresentada “ao público, pela primeira vez”, na Feira Anual. O proprietário da máquina, Avelino Carneiro, referiu que esta é uma máquina “cem por cento trofense, desenhada e construída na Trofa e por pessoas da Trofa”, que “corta biomassa florestal e recolhe os resíduos”. “A nossa empresa não encara essa biomassa como resíduo, mas como uma matéria-prima, que poderá ser utilizada como combustível energético ou para fazer composto orgânico para fertilização agrícola”, salientou.
Avelino Carneiro contou que “a primeira” máquina foi construída por si “há dez anos”, uma vez que, enquanto “proprietário florestal”, sentia “necessidade de fazer face aos custos da limpeza”. “Então surgiu a ideia de reaproveitar a biomassa florestal primária, chamada de mato, fazendo um recurso com valor a partir dela. Depois de ouvir algumas pessoas achei que a ideia poderia vingar no mercado e resolvi fazer algumas para comercializar. Já tenho algumas unidades vendidas”, asseverou.