Sara Reis tem 16 anos. Fugiu de casa em Fevereiro e desde então que cada hora que passa o desespero da família aumenta.

 «Tenho muitas saudades da minha filha. Gostava de a ver, de falar com ela. Mesmo que depois ela não me queira». As palavras aflitivas são de Augusto Reis, pai de Sara que a 23 de Fevereiro deste ano saiu de casa, na Trofa, com uma mochila e não voltou mais. A PJ está a tentar localizar a menor, mas até hoje ninguém sabe qual o local para onde Sara fugiu do mundo.

Os conflitos começaram quando a adolescente fez uma nova amiga na equipa de futsal, onde jogava. A colega tinha mais 9 anos, mas a proximidade entre ambas tornou-se evidente. «Ela começou a ficar diferente e ganhou outros hábitos. Chegava tarde a casa depois dos treinos, o que me deixava preocupado. Tentei pôr um travão, mas ela continuava. O ambiente ficou pesado», contou ao PortugalDiário Augusto Reis.

Sara enviou cartas aos pais

Depois da fuga, Sara enviou duas cartas aos pais onde os culpava pelo seu desaparecimento e os acusava de maus tratos. O pai esclarece: «Nunca fiz mal aos meus filhos, não houve maus tratos. Isso não é verdade». Sara tem um irmão, Pedro, com 19 anos, que colocou na Internet um mail onde pede informações sobre o paradeiro da jovem.

Depois de conhecer a nova amiga, Sara tentou várias vezes a fuga. Mas acabava sempre por voltar. A relação entre as duas jovens não era clara. «Ela envolveu-se demais com essa menina e isso para nós não tinha jeito», afirma o pai. No entanto, Sara terá sempre negado qualquer relação íntima e insistido que eram só amigas. «Eu acabei por ceder, e se eram só amigas eu deixava-as estarem juntas. Só lhe pedia que respeitasse as horas e que dissesse onde estava. Mas ela não fez isso».

O dia da fuga

No dia da fuga, Sara simulou que ia para uma visita de estudo. Mas acabou por seguir em sentido contrário. Levava uma mochila com roupa. No cacifo da escola estavam também objectos que já lá tinha armazenado. «Ela planeou o que ia fazer».

Amiga foi encontrada e interrogada pela PJ

As suspeitas de que Sara terá fugido com a amiga mais velha ganham força, uma vez que a jovem de 24 anos também desapareceu na mesma altura. Natural de Lisboa, a rapariga foi localizada pela PJ e interrogada. Segundo o pai, terá dito que não sabia de Sara, mas que a estava «a proteger dos pais».

Augusto Reis conta que Sara era uma boa aluna, que queria ir para universidade e que acabou por perder as amigas e deitar «tudo fora». O pai da adolescente tem mesmo dúvidas que as cartas que recebeu sejam pensadas pela sua «filhota». «A letra é dela, mas a forma como está escrita não é a da minha filha. Eu não sei, mas ela pode estar a ser manietada».

Desespero dos pais

Os pais de Sara estão ambos desempregados e mais desesperados a «cada hora que passa». As respostas da PJ não chegam e o «impasse» leva a que Augusto Reis recorra aos media, na esperança de que ver Sara deixe de ser uma miragem.

O PortugalDiário contactou a Polícia Judiciária do Porto, mas até ao momento não obteve qualquer reacção. Também o Instituto de Apoio à Criança não prestou qualquer esclarecimento.( in Portugal Diario)

Na edição nº 114 d`O Notícias da Trofa , tinhamos ja avaçavado a informação  do desaparecimento de Sara. (clique aqui para ler)