quant
Fique ligado

jonati

Trofa

Covid-19: Peritos sugerem acabar com limitação no acesso a lojas, bares e discotecas

Publicado

em

Os peritos hoje reunidos sugerem um alívio nas medidas contra a covid-19, acabando com as limitações de acesso a lojas, bares e discotecas e com a máscara a ser apenas obrigatória em espaços interiores públicos, serviços de saúde e transportes.

Os especialistas, reunidos hoje no Infarmed, sugerem também que o certificado, hoje obrigatório para acesso a restaurantes, estabelecimentos turísticos, alojamento local e espetáculos culturais, passe a ser usado apenas “em contexto de saúde ocupacional (ex: novos trabalhadores)” e recomendam que, em locais exteriores, o uso da máscara de proteção se limite às áreas com grande densidade populacional.

Defendem ainda que deixe de haver qualquer recomendação para teletrabalho, passando o trabalho presencial a fazer-se sem limitações, e quanto à testagem recomendam-na em populações de maior vulnerabilidade (admissão nos lares e antes de internamento hospitalar), funcionários do pré-escolar, em locais de maior risco de transmissão e quando existem sintomas, em contexto de diagnóstico.

Considerando que estão reunidas condições para reduzir as medidas, Raquel Duarte, da ARS Norte, Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto e Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar, lembrou, contudo, que “é preciso manter a vigilância” e que “há ameaças que não devem ser esquecidas”, como a desigualdade de acesso às vacinas a nível mundial, que pode potenciar o aparecimento de novas variantes.

Lembrou que, no contexto europeu, Portugal é um dos países com menos medidas restritivas e chamou a atenção para a necessidade de manter a vigilância dos mais vulneráveis, como os idosos que vivem em instituições ou estão internados e quem trabalha nos serviços de saúde.

A especialista considerou que este é “o momento ideal” para passar às chamadas medidas de nível 1 – com avaliação quinzenal – e disse que os próximos passos exigem um foco na monitorização, vacinação, ventilação e uso da máscara em ambientes de risco (lares e unidades de saúde).

Na monitorização apontou o sistema de vigilância das infeções respiratórias, abordado na reunião por Ana Paula Rodrigues, especialista do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge, e na vacinação apontou a necessidade de “jogar com a sazonalidade” e definir qual a população elegível para as vacinas.

Publicidade

Raquel Duarte sublinhou também a necessidade de uma boa ventilação dos espaços e de preparar a população para uma mudança de comportamentos, com uso de medidas de proteção sempre que se tem sintomas.

“É preciso ritualizar comportamentos, não é aceitável descuidar a higienização das mãos, ou que não se mantenha distância ou não se use máscara se tivermos sintomas”, afirmou.

As medidas sugeridas como de nível 1, a avaliar a cada 15 dias, são passíveis de entrar em vigor com uma mortalidade inferior a 20 casos/milhão de habitantes a 14 dias e uma hospitalização em unidades de cuidados intensivos inferior a 170 (limite definido como de risco reduzido pelas linhas vermelhas).

Raquel Duarte defendeu a necessidade de preparar a população para a mudança de comportamentos, melhorando a literacia, alterando os comportamentos perante sintomas e insistindo na “utilização rotineira de medidas não farmacológicas perante risco de transmissão” e na evicção do local de trabalho/escolar se houver sintomas de doença.

“Assistimos a uma mudança de paradigma, resultante da alta taxa de vacinação e da menor gravidade das manifestações clínicas associadas à variante Ómicron. Está na altura de aliviar as medidas, mantendo a monitorização e o alerta”, afirmou a responsável, acrescentando que “é necessário capitalizar o que se aprendeu com a covid-19 e promover alteração de comportamentos associados às medidas não farmacológicas”.

Lembrou ainda que “haverá novas variantes, novos surtos” e que é preciso “manter a vigilância” e “ajustar as medidas ao risco”.

Publicidade
Continuar a ler...

Falecimentos

Falecimento de Aureliano de Castro Ferreira

Faleceu Aureliano de Castro Ferreira, com 56 anos, residente na rua da Serra, em Guidoes, casado com Clara Maria Torres da Costa Ferreira

Publicado

em

Faleceu Aureliano de Castro Ferreira, com 56 anos, residente na rua da Serra, em Guidoes, casado com Clara Maria Torres da Costa Ferreira

Velório: Domingo dia 05/02, por volta 14:30 horas na Capela Mortuária de Guidões

Funeral: Segunda-feira dia 06/02 às 16:00 horas, na Igreja Matriz de Guidões

Cemitério: Guidões

Missa 7º Dia:

Sábado dia 11/02 às 19:15 horas, na Igreja Matriz de Guidões

Continuar a ler...

Falecimentos

Falecimento de Arnaldina de Azevedo Carvalho

Faleceu, com 84 anos, Arnaldina de Azevedo Carvalho, viúva de António Oliveira de Matos e residente em Finzes.

Publicado

em

Faleceu, com 84 anos, Arnaldina de Azevedo Carvalho, viúva de António Oliveira de Matos e residente em Finzes.

A missa de corpo presente será celebrada segunda-feira, dia 06 de fevereiro pelas 11:00 horas, na Igreja Nova, indo de seguida a sepultar em jazigo de família no cemitério de S. Martinho de Bougado – Trofa.

O corpo encontra-se depositado na Capela Funerária em velório, entre as 15:00 e as 20:00 horas de amanhã, domingo.

A missa de 7º dia será celebrada sexta-feira, dia 10 de fevereiro pelas 19:00 horas na Capela Nossa Senhora das Dores.

Continuar a ler...

Edição Papel

Comer sem sair de casa?

Facebook

Farmácia de serviço

 

arquivo

Neste dia foi notícia...

Ver mais...

Pode ler também...

} a || (a = document.getElementsByTagName("head")[0] || document.getElementsByTagName("body")[0]); a.parentNode.insertBefore(c, a); })(document, window);