O que nos deve unir a todos, é salvar o nosso Planeta Terra, que ameaça rotura à Mãe Natureza. O Homem, ainda não quis reconhecer, que está a matar o Planeta com a exagerada poluição, todos estamos a sofrer as consequências e vamos continuar, porque o Homem é egoísta nas suas responsabilidades, só vê lucro (dinheiro). Que interessa ganhar riqueza desmedida, se no futuro não terá lugar onde sempre viveu? O homem é cobarde de si mesmo.
Necessitamos de água que já é rara, alimentos e ar puro para podermos viver: são as nossas necessidades essenciais. No dia 1 de agosto, em Portugal, findámos o que tinha-mos na prateleira para gastar ao longo de todo o ano. A partir daqui, vivemos do que caberia a outros, ou do que a Natureza tinha reservado para o ano de 2018. Houve países que esgotaram estes básicos bens em fevereiro ou março. Isto acontece porque somos desregrados no consumo e conservação destes imprescindíveis bens.
Infelizmente desperdiçamos imensa água nas regas que alguns já fazem de gota-a-gota, desperdiçamos água nos banhos e lavagens que poderia ser reutilizado na sanita, enfim um sem número de gastos supérfluos. Os antigos diziam que, “quem não poupa água e lenha, não poupa nada que tenha”. Esquecemos os milhões de adultos e crianças que vivem em vários pontos do Globo, com um litro de água de má qualidade por dia e, por esse motivo morrem de cólera e outras doenças fatais. O desrespeito pelos Direitos Humanos, ditaduras, fome, guerras, mísseis de destruição maciça e outros malefícios compõem a vivência desumana no Planeta. Um jogo cobardemente sujo e arrepiante…
Sobre a água, só quando se fala em seca, como está acontecer no nosso país, é que se começa a pensar a sério no que nos poderá acontecer a todos nós num futuro incerto. Possuímos quatro elementos básicos necessários à nossa vida: Terra, Água, Fogo e Ar, temos que aprender a resolver situações diversas relacionadas com a sustentabilidade do nosso Planeta, com Criação, Transformação, Inovação e Cooperação recíproca, tornar a gestão das coisas comuns com mais eficiência e responsabilidade. Há mais de vinte anos que os entendidos na matéria, vêm alertando para este grave problema, os sucessivos governos nada ligaram e as consequências aí estão infelizmente para perdurar se nada for feito no imediato.
Consumimos imensa proteína animal, carne e peixe, ao contrário comemos poucos legumes e frutas. Por este facto, existem demasiados obesos e doentes por motivo da má alimentação, enquanto, outros morrem por falta de proteínas. O ar que respiramos, está carregado de monóxido de carbono, com o uso excessivo dos hidrocarbonetos, que nunca desapareceram.
Os imensos incêndios que dizimaram o nosso país causando duas tristes tragédias, pavorosas, indizíveis que apanhou mais de uma centena de pessoas e encheu de dor e luto o coração de muitas famílias. Dias de luto em todo o País, consternado, unido e solidário. Desde há anos que os incêndios são uma tragédia, enlutam famílias, destroem casas, matas, animais, consomem a floresta, reduz a cinzas a Natureza de que tanto amamos. Há dias fui visitar os dois locais das tragédias, tudo é negro e desolador, encontra-se em vários locais flores de homenagem às vítimas e as pessoas tristes com os cenários que enfrentam nas suas vidas. Basta! Vamos ver para crer, se no futuro algo muda para positivo, os governos têm de fazer mais e melhor, palavreado já incomoda a nossa mente. As pessoas esperam as indemnizações!
As tragédias não se apagam, a esperança também não… O povo dos distritos enlutados frisam com esperança” Obrigado Povo Português. Vamos renascer das cinzas”. Mensagem tocante e exemplar para todos nós. As criaturas simples e sábias, sabem dar valor a quem tem valor.
Todos estes negativos que nos envolvem contribuem para o nosso “Planeta estar enfermo”. Vamos todos dar as mãos, para que a Natureza Mãe, se apazigúe ao lugar que tem direito. Conceder um futuro ambicioso ao Homem, que continuará a viver na sua mão delicada…

Trofa, 1 de dezembro de 2017
Firmino Santos