Trinta e dois milhões de euros é o preço-base do concurso público para a 2.ª fase da variante à Estrada Nacional 14, entre a Via Diagonal, na Maia, e o interface rodoferroviário da Trofa, que foi publicado em Diário da República, a 23 de outubro.

Trata-se de um dos quatro troços da nova variante – um deles é considerado os 1,3 quilómetros da Avenida 19 de Novembro (junto à estação ferroviária da Trofa). Nesta empreitada, será feita uma nova ligação entre a Maia e a Trofa, num troço que ronda os 10 quilómetros, que se apresentará em perfil 1×1.

A obra contempla a criação de três ligações à rede local, através da Estrada Nacional 318, junto das zonas industriais do Soeiro e da Carriça, através da Estrada Nacional 14, em Lantemil, e através da rotunda existente EN14, que irá permitir a ligação da Variante ao Interface Rodoferroviário da Trofa e a sua continuidade para Norte.

Este troço contempla a criação de uma ponte sobre o Rio Trofa (750 metros), e dos viadutos sobre a Ribeira do Arquinho (374 metros), de Vilares (264 metros), das Covas (180 metros) e sobre o Vale de S. Roque (472 metros).

“Serão também construídos sete restabelecimentos de vias municipais, preconizando-se, na maioria dos casos, a melhoria das suas características em termos de perfil transversal. Os nós, e respetivas rotundas associadas, serão dotados de iluminação”, detalhou a Infraestruturas de Portugal (IP).

Vera imagem ampliada

Segundo esta entidade, “o investimento neste corredor é prioritário, tendo em conta a necessidade de solucionar os problemas de fluidez de tráfego, mas também para possibilitar a concretização de três grandes objetivos”, a saber: “aproximar a indústria aos eixos que constituem a malha fundamental para o transporte de pessoas e mercadorias, tendo como foco a rede de autoestradas que caracteriza a envolvente (A3, A7 e A28)”; “Potenciar a zona de influência do Aeroporto Sá Carneiro e do Porto de Leixões” e “melhorar a articulação com as infraestruturas ferroviárias”.

Recorde-se que está já concluída a fase da obra no concelho de Vila Nova de Famalicão, que visou requalificação e apetrechamento de quatro quilómetros da Estrada Nacional, num investimento de 3,2 milhões de euros.

Já no território da Maia, a empreitada entre o Nó do Jumbo e a Via Diagonal encontra-se “em execução e com conclusão prevista para breve”, refere a IP. Numa extensão de 1,8 km, esta obra pretende “reforçar a mobilidade, as condições de circulação e a segurança rodoviária das populações, com a melhoria da acessibilidade para as empresas sediadas na zona”.

Fica a faltar a ponte sobre o Ave

Com estes troços concluídos, fica a faltar o troço entre Santana e Trofa, que contempla a construção da nova ponte sobre o Rio Ave, construída na zona de Carqueijoso, ligeiramente a norte do Hospital da Trofa, a cerca de um quilómetro a montante da atual ponte sobre o Rio Ave na EN14. O tabuleiro desta nova ponte terá uma extensão de 163 metros. .

“Com um investimento associado de oito milhões de euros para uma extensão de 2,4 km, tem por objetivo eliminar os constrangimentos no atravessamento do centro urbano da Trofa e da travessia do Rio Ave, através da construção de uma nova ponte na sua zona mais estreita, melhorar as acessibilidades ao Hospital da Trofa e à Estação de caminho-de-ferro, diminuir os tempos de percurso para o tráfego com destino ao tecido industrial e comercial existente implantado nas margens do rio e reabilitar as margens do Rio Ave”, detalha a IP.

Neste projeto, está prevista a criação de quatro rotundas e um conjunto de restabelecimentos desnivelados para garantia da mobilidade das populações.

“As intervenções no corredor da EN14 entre Maia e Vila Nova de Famalicão visam melhorar as condições de segurança e acessibilidade numa zona densamente povoada e com grande dinâmica empresarial, mas fortemente condicionada pelo elevado grau de congestionamento e pressão marginal que caraterizam a atual Estrada Nacional”, sublinha a IP.