Pela rua Alexandre Herculano, a mostrar “o que a Trofa é”. “Esta rua é a prova de que onde não chegam as câmaras para se tirar bonitas fotografias, temos espaços degradados e a população marginalizada”. Fernando Sá, candidato da CDU à Câmara Municipal da Trofa, fez questão de passar por aquela artéria da cidade, entre o Trofashopping e os edifícios da Mida, durante uma ação de campanha que incluiu um contacto com comerciantes e população, na manhã de terça-feira, 21 de setembro.

“A população desta zona de Finzes necessita, urgentemente, de ver passeios nesta rua, que utiliza, diariamente, correndo risco de atropelamento e de queda, porque o piso está em péssimo estado”, declarou o candidato, que, ao nível das acessibilidades, criticou as opções do atual executivo camarário por “fazer obras megalómanas de ciclovias sem consultar a população nem sem antes resolver problemas como estes na Rua Alexandre Herculano”.
Fernando Sá conduziu, depois, o discurso para o Coronado, para lamentar “o massacre” pelo que a população da freguesia está a passar com “o tempo demais” que está a durar a obra da ciclovia.

“Nós acreditamos que a população está primeiro que os fundos comunitários e que deveria ter sido consultada e devidamente informada acerca do projeto”.
Para o candidato, a ciclovia do Coronado faz parte da estratégia “eleitoralista” do executivo camarário: “Não devíamos deixar correr um mandato completo para chegar ao último ano e lembrar-se de baixar os impostos às famílias. Nós defendemos que todos os impostos da responsabilidade da Câmara têm de estar sempre baixos para beneficiar as famílias, promover a fixação de empresas”.
A renegociação dos termos do acordo para o serviço de abastecimento de água que a Câmara Municipal acertou com a Indaqua também mereceu a crítica de Fernando Sá, que considera que a empresa “tem meios suficientes para baixar o preço da água e continuar a ter lucro sem que seja necessário prolongar o prazo do contrato”.

“O reconhecimento do trabalho da CDU deve ser traduzido no voto”

Heloísa Apolónia, ex-deputada d’Os Verdes na Assembleia da República, veio apoiar os candidatos da CDU da Trofa na ação de campanha e revelou ter sentido que as pessoas “valorizam o trabalho da CDU”. “O que também gostávamos de dizer à população é que esse reconhecimento e a confiança que depositam no nosso trabalho deve ser traduzida no voto na CDU, no próximo dia 26 de setembro”, apelou, sem deixar de sublinhar a vitória da coligação se conseguisse eleger um vereador na Câmara Municipal.
“Seria a garantia que nesta Câmara haveria uma voz ativa para denunciar as necessidades e os problemas das populações e para ajudar com propostas para que esses problemas sejam resolvidos”.
A antiga deputada defendeu que a CDU “é a voz ativa que falta na Trofa” e fez valer os “princípios ecologistas” que regem a coligação “desde os anos 90”. “Questões relativas à poluição, quer atmosféricas, quer dos recursos hídricos, os transportes públicos, o fomento da mobilidade ativa, a necessidade de reduzirmos a produção de resíduos e fazer o devido tratamento, a questão da água como bem público e não como negociata são matérias que a CDU fala há muitos anos”, destacou.

CDU quer reforçar presença na Assembleia Municipal

Se para a Câmara Municipal, a CDU ainda não conseguiu nenhuma eleição, para a Assembleia Municipal, procura reeleger Paulo Queirós e até reforçar representatividade. “Nos últimos quatro anos vimos que a única discussão entre as outras duas forças políticas era baseada no que um fez e o outro deixou de fazer e a CDU foi a única voz que foi alertando para outros problemas, outras ambições e futuro que este concelho deve ter. Reforçar a presença da CDU iria trazer uma força maior à nossa intervenção”, argumentou Paulo Queirós, que considera que a sua eleição “não foi muito bem vinda pelo executivo municipal, porque sentia que, apesar de ter apenas um eleito, era quem fazia mais oposição construtiva”.
“Se pensarem no trabalho feito por um eleito na CDU, imaginem o que é o trabalho de dois eleitos. O que apelamos é que no domingo reforcem o foto na CDU”, apelou.