quant
Fique ligado

Trofa

Câmara da Trofa gastou quase 75 mil euros em chamadas para programa de TV

Publicado

em

O Bloco de Esquerda (BE) da Trofa acusou hoje o executivo da Camara Municipal da Trofa de ter gasto “quase 75 mil euros” em chamadas telefónicas para promover a tradição associada aos “Santeiros do Coronado” num programa televisivo.

Classificando a medida como “abjeta e vergonhosa” e manifestando “profunda estupefação e repúdio”, a concelhia do BE da Trofa, distrito do Porto, considera que “estando Portugal e a Trofa a viver um período de pandemia sem precedentes, onde o futuro é de uma completa incerteza”, este gasto constitui “um insulto deste executivo a todos os trofenses”.

“Centenas de famílias do nosso concelho estão a viver um período de dificuldades sem igual. O BE da Trofa considera este gasto com chamadas telefónicas totalmente desnecessário, mais que uma má despesa, um insulto deste executivo a todos os trofenses”, lê-se num comunicado partilhado pelos bloquistas nas redes sociais.

A concelhia do BE da Trofa descreve que foram gastos “quase 75 mil euros” pelo Município da Trofa “em chamadas telefónicas com vista à promoção da tradição dos “Santeiros do Coronado”, referindo-se ao programa exibido pela RTP com o nome “7 Maravilhas da Cultura Popular”.

Em setembro a tradição ligada aos artesãos de São Mamede do Coronado — freguesia do concelho da Trofa, no distrito do Porto, denominada desde 2013 como União das Freguesias de Coronado, por também integrar São Romão — ficou nos 7 primeiros lugares no referido programa da estação pública de televisão.

Para apurar os finalistas e vencedores, este programa recorre ao sistema de votações através de chamadas telefónicas.

De acordo com o regulamento publicado no portal ‘online’ do programa, as chamadas custam “0,60 euros + IVA”.

“Num concelho onde as carências são mais que muitas e a todos os níveis, as consultas no centro de saúde ocorrem a conta-gotas por falta de recursos físicos e humanos, que o custo da água é o mais elevado do país, o IMI[Imposto Municipal sobre Imóveis] mantém-se na taxa máxima, esta é uma despesa que os trofenses não merecem suportar”, frisa o BE.

Publicidade

No mesmo comunicado, os bloquistas da Trofa salvaguardam compreender “a necessidade de promoção do concelho”, mas acusam o executivo liderado por Sérgio Humberto de fazer “batota”.

“Promoção do concelho: nada contra. Mas esta ‘batota’ (…) em nada dignifica a Trofa e muito menos os Santeiros do Coronado. Este custo do ‘orgulho trofense’ num período de pandemia é demasiado elevado, abjeto e vergonhoso”, lê-se no comunicado que fala acusa ainda o executivo de “desperdício” e de “má gestão da despesa pública”.

A agência Lusa tentou obter um comentário junto da câmara da Trofa, mas até ao momento sem sucesso.

Continuar a ler...
Publicidade

Trofa

Já são conhecidos os artistas da Expotrofa

Conheça aqui os artistas que vão atuar na ExpoTrofa.

Publicado

em

Por

Já são conhecidos os artistas que vão animar as noites da ExpoTrofa.

A realizar-se de 6 a 10 de julho, o certame terá a animar as noites de quarta a sábado Augusto Canário, Banda Myllenium, a Orquestra Urbana da Trofa e Zé Amaro. A noite de domingo estará preenchida com o tradicional desfile de moda.

Em 2022, a ExpoTrofa regressa de um interregno de dois anos devido à pandemia, e fica marcado por algumas novidades, desde logo o local onde se realizará.

Da zona envolvente da estação, o certame passa para a Alameda da Estação, no coração da cidade da Trofa, com apenas cinco dias de duração, em vez dos tradicionais nove. A programação cultural passa para a responsabilidade da Câmara Municipal e não das juntas de freguesia, como aconteceu até 2019.

Continuar a ler...

Trofa

Escrita com Norte: O jogo de(mora) uma vida

Publicado

em

Por

Não sei se devia ambicionar mais da vida (talvez ser um senhor), mas na verdade, o que anseio, semana após semana, desde há muitos anos, é pelo domingo de manhã, onde às 11 horas, sem falta, nas coordenadas – Latitude: N 41º 20′ 26” Longitude: W 8º 32′ 40” – acontece o nosso jogo da bola. É um enorme acontecimento, não pelo futebol praticado (são sete “mancos” contra seis “mancos”, mais eu), mas pelo facto de que quando digo o “nosso jogo” é a forma de ainda nos encontrarmos! Se bem que após alguns falhanços, de um ou de outro, de baliza aberta, passo bem a semana sem os ver!
O jogo deste último domingo, dentro da sua espectacularidade singular, foi mais um igual aos outros…o jogo começa às 11, mas em campo ainda só estão o Miguel e o Mário, no balneário, o Rodrigo está a tirar a roupa e o telefone toca…é o Quim. O Quim está na bomba de gasolina onde deixou o carro para lavar e aspirar e precisa de boleia.

– Não te posso ir buscar, estou a equipar-me – responde o Rodrigo.
Do outro lado, o Quim diz algo ao qual o Rodrigo responde, – O Calheiros também não pode, está de trusses.
Devido a fortes laços familiares, o Miguel, que está no campo, interrompe o aquecimento e vai buscar o cunhado, apesar de não gostar de jogar com ele, mas adora ver o sobrinho que acompanha sempre o pai.
Chateado, o Cabral, que joga no lado do “inimigo”, resmunga – A vossa equipa ainda não está cá?!
(da equipa dele ainda faltam dois)
Já com quase todos em campo, chega o Miguel a resmungar com o Quim, devido aos fortes laços familiares, mas sorri quando olha para o sobrinho que dá razão ao tio.

– Agora que estamos todos, vamos começar?! – diz o Cabral, perguntando.

– Esperai um bocado! – diz o Edu, enquanto entra em campo. Afinal ainda faltava um jogador… adversário.
Enquanto o Edu aquece, o David vem ter comigo para me transmitir a mensagem errada. Em vez de dizer, “Admiro todo o teu virtuosismo técnico e táctico”, queixa-se, “Passei a semana com dores na perna e a tomar medicação, por causa de um “cacete” que me deste.” Lembro-me de nesse jogo ele me ter dado três “cacetes”…faz parte!
O Edu termina o aquecimento e estamos prontos para começar, são 11h15m e a parte boa é que estamos a aguentar o empate…costumamos não ganhar!
Havendo duas bolas, alguém decidiu complicar o que estava complicado para começar, perguntando – Com que bola jogamos?
Quase todos queriam jogar com a bola branca e eu proponho jogar com a azul. A branca é demasiado redonda, enquanto a azul é ligeiramente ovalizada, sendo mais propícia à qualidade técnica da maioria!
Hilário, que toma conta do campo, avisa-nos, “Hoje o jogo tem que acabar mesmo ao meio-dia. Tenho que ir a um sítio!”.
Perante a informação e tendo o jogo ainda não começado, senti que apesar de correr o risco de pagar para fazer apenas o aquecimento, poderíamos aguentar o empate se o jogo não chegasse a começar!
Mas começou, e logo parou com uma dúvida do Sá – Afinal aonde jogo? No meio campo ou a lateral?
(Sim, ainda há coisas que não conseguimos definir antes de o jogo começar)
Quim, o “Presidente” do grupo, põe o Sá a avançado e o jogo recomeça já quase no fim!
Chegou a haver esperança no empate!

Cronista escreve de acordo com a antiga grafia

Continuar a ler...

Edição Papel

Comer sem sair de casa?

Facebook

Farmácia de serviço

 

arquivo

Neste dia foi notícia...

Ver mais...

Covid-19

Pode ler também