A edição 2012 das Jornadas do Projeto Educativo Municipal da Trofa, que decorreu na quarta-feira, dia 5, debateu o futuro da Educação em Portugal. Câmara acusa Ministério da Educação de não responder ao pedido de abertura do concurso para contratação dos professores das AEC.

Para assinalar o início do ano letivo e discutir os principais problemas da educação em Portugal a Câmara Municipal da Trofa organizou as jornadas do Projeto Educativo Municipal da Trofa. Esta quarta-feira o auditório da Junta de Freguesia de S. Martinho de Bougado esteve repleto de educadores, professores, diretores escolares, pessoal não docente, técnicos municipais, representantes de várias organizações, encarregados de educação e especialistas nacionais na área da educação, que, durante todo o dia participaram nas palestras, nas quais estiveram em desta que alguns temas, tais como (Re)definição das Políticas Educativas do Município da Trofa, o Projeto Educativo Municipal da Trofa: Implicações Práticas, Orientações e Implicações Pedagógicas e Curriculares do Projeto Educativo Municipal, o Comportamento em Sala de Aula, a Exploração Vocacional: Trajetórias de Desenvolvimento e Carreiras e a Educação para o Empreendedorismo.

Durante as jornadas Joana Lima, presidente da autarquia trofense, estava satisfeita com a iniciativa salientando a importância do debate. “Temos sem dúvida alguma um grande dia de debate, de reflexão, para a nossa educação e por isso os protagonistas que ali estão dentro vão dar um contributo importantíssimo para o desenvolvimento da educação no nosso concelho”, avançou. 

Relativamente ao início do ano letivo, a autarca salientou as dificuldades existentes na “área de competências delegadas”, devido à dificuldade de lançar os concurso para as AEC (Atividades de Enriquecimento Curricular), refeições escolares, para as CAF Complemento de Apoio às Famílias, e apoio às crianças com necessidades especiais, por causa da Lei dos Compromissos. “Não podemos esquecer que é uma lei que temos que respeitar em qualquer despesa que façamos na Câmara. Tivemos muitas dificuldades, poucas respostas também”. A autarca adianta que a poucos dias do inicio do ano letivo a Câmara da Trofa ainda não recebeu a “resposta do Ministério da Educação para podermos abrir o concurso das AEC”.

Devido ao “endividamento excessivo” da autarquia, não pode abrir concursos para novos funcionários, estando a espera de “uma autorização” do Ministério para o fazer, pois os concursos que têm que ser lançados estes mês, para “o apoio da educação das crianças e jovens”, têm o custo de “cerca de um milhão de euros”.

Leia a reportagem completa na edição desta semana d’ O Notícias da Trofa, disponível num  quiosque perto de si ou por PDF.

{fcomment}