A bênção das obras de melhoramento do nicho de Nossa Senhora da Livração foi um dos pontos altos das festas que, tal como na eucaristia solene, contou com a presença de D. Pio Alves, Bispo auxiliar do Porto, que foi recebido pela Banda de Música da Trofa. A cerimónia assinalou ainda o 25.º aniversário do restauro e ampliação da Capela de Nossa Senhora da Livração, que este ano também foi alvo de melhoramentos.
A vertente religiosa das festividades contou ainda com missa com sermão e terço em procissão de velas com sermão junto à imagem de Cristo Rei. A comissão de festas preparou um programa para todos os gostos, que contou com a presença do grupo de música popular A Rapaziada, o espetáculo musical Alvorada, as atuações do grupo Alvadance, Marchas do lugar da Maganha e do Grupo de Tradições Infantis de Cidai, assim como uma sessão de fogo de artifício.
O Bispo auxiliar do Porto mencionou que esta é “uma data importante para esta comunidade paroquial”, enumerando “o esforço feito há 25 anos e agora renovado, com todos os custos que implicou a limpeza e o restauro deste espaço”. “Foi uma oportunidade para dar graças a Deus e agradecer às pessoas e à devoção à Santíssima Virgem, porque só assim é possível reunir tantos esforços, considerando tantas vontades para que este espaço se mantenha aberto com dignidade”, completou.
Bruno Ferreira, pároco de Santiago de Bougado, explicou que quiseram marcar os 25 anos de ampliação da Capela pelo seu antecessor de uma forma “mais solene” e com a presença D. Pio Alves, tendo aproveitado ainda para, “este ano, dar um refresco e tornar este espaço mais agradável com uma pintura e o restauro em algumas peças de arte sacra e a bênção do novo nicho”. “Foi uma liturgia solene mais preparada e mais festiva com a presença de muitos convidados, autoridades, civis, tendo sido também aproveitada para celebrar os 50 anos de matrimónio de um casal. Para nós é muito importante que nestes dias recordemos a nossa comunidade e todos que fazem parte dela, vivos e defuntos, e os que ajudaram esta comunidade a ser o que é”, declarou.
O pároco agradeceu “a todos os que tornaram possível este dia”, como a “todos os colaboradores” e “aqueles paroquianos mais ou menos discretos com mais ou menos possibilidades que foram e vão dando as suas ofertas para manter estes lugares sempre com dignidade”.