O presidente do PSD vai propor Calvão da Silva e Macário Correia para ocupar as duas vagas na vice-presidência da Comissão Permanente, bem como Bernardino Vasconcelos e José Amaral Lopes para vogais da Comissão Política Nacional, anunciou hoje o partido.

A ser aprovada a proposta em Conselho Nacional, marcado para 22 de Junho, o partido vai voltar a contar com  seis vice-presidentes, em vez dos cinco com que se mantinha desde a saída de Paula Teixeira da Cruz para a presidência da Distrital de Lisboa.

No final da semana passada, foi conhecida a demissão de outro vice-presidente, Luís Paes Antunes, sobre a qual o partido mantém silêncio.

Segundo o Expresso, este ex-secretário de Estado do Trabalho nos Governos PSD-CDS (2002-2005)saiu devido a "divergências de fundo relativamente à forma como a direcção do PSD tem conduzido alguns processos, nomeadamente a crise na Câmara de Lisboa".

João Calvão da Silva é professor catedrático da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, e já passou pela vice-presidência no tempo da liderança social-democrata de Mota Pinto.

José Macário Correia, ex-secretário de Estado do Ambiente de Cavaco Silva, é actualmente presidente da Câmara Municipal de Tavira.

Mantêm-se na vice-presidência Eduardo Azevedo Soares, Arlindo Cunha, Assunção Esteves e Manuel Lancastre.

Ao Conselho Nacional de 22 de Junho, Marques Mendes vai propor ainda dois novos vogais para a Comissão Política Nacional: Bernardino Vasconcelos, presidente da Câmara Municipal de Trofa, e José Amaral Lopes, ex-secretário de Estado da Cultura e ex-vereador da Cultura da Câmara Municipal de Lisboa.

Fonte oficial do partido adiantou à Lusa que se trata de um "reforço" da composição deste órgão, e não de uma substituição, como no caso de Paes Antunes.