“Cerca de 50 caçadores” participaram na batida às raposas, que se realizou na zona de caça municipal, mais precisamente nos lugares de Ervosa e Abelheira, em S. Martinho de Bougado.

Contrariamente às outras batidas, no domingo, 16 de fevereiro, o sol facilitou o trabalho dos participantes, que caçaram dois exemplares no período da manhã. Como já vem sendo habitual, seguiu-se o almoço de confraternização numa casa de Covelas. Como estava bom tempo, houve um grupo que no final do almoço queria “dar mais uma volta”, conseguindo caçar um terceiro exemplar.

Esta foi mais uma batida dinamizada pelo Clube de Caçadores da Trofa, que encerrou desta forma a época de caça. Segundo o presidente José Silva, os objetivos foram “cem por cento atingidos”, em que “correu tudo muito bem” e a “participação foi bastante boa”. “Normalmente, chamamos a chuva, mas desta vez fomos surpreendidos pelo calor”, acrescentou.

Com estas batidas, além de caçar, o Clube pretende “afugentar” as raposas para que se “distribuam mais”, uma vez que “se concentram muitas num só local”. José Silva explicou que há locais que são “mais apetecíveis” para as raposas, porque “nessas zonas normalmente há aviários”, que são um “chamariz” para estes animais. Através de “uma estatística muito rigorosa”, o Clube de Caçadores da Trofa sabe que “não estão em grande quantidade dentro do concelho”, mas que há “locais específicos onde estão”, que são aqueles onde “procuram caçar” ou, pelo menos, “afugentá-los”.