Um golo de Rui Varela aos 90+2 minutos permitiu hoje ao Atlético virar o resultado na receção ao Trofense e assegurar uma preciosa vitória por 2-1, em jogo da nona jornada da II Liga de futebol.

A equipa da Trofa adiantou-se aos 33 minutos, na marcação exemplar de um livre por Paulinho, mas os anfitriões restabeleceram o empate a abrir a segunda parte, aos 46, por intermédio do recém-entrado Adilson, tendo ainda acertado por duas vezes no poste da baliza visitante antes do golo ”fora de horas” de Rui Varela.

Uma primeira parte de tão fraca qualidade não merecia qualquer golo e muito menos o que foi marcado por Paulinho aos 33 minutos, na marcação irrepreensível de um livre direto: o avançado atirou com precisão cirúrgica, colocando a bola junto ao poste esquerdo, fora do alcance do voo do guarda-redes Leão.

Antes desse lance tinha pertencido ao Atlético, que hoje subiu ao 15.º lugar, a um ponto do Trofense (14.º), a única oportunidade para marcar, mas o remate de cabeça do defesa Hugo Carreira após um pontapé de canto aos 19 minutos encontrou no caminho um colega de equipa.

A reação dos lisboetas ao golo adversário foi ténue e o Trofense também não demonstrou muito interesse na baliza anfitriã, demonstrando que o remate de Paulinho foi um caso isolado de inspiração, o que arrastou o jogo até ao intervalo sem mais sobressaltos.

António Pereira, treinador do Atlético, percebeu que tinha de mexer na equipa e não podia ter sido mais certeiro: o recém-entrado Adilson restabeleceu a igualdade aos 46 minutos com um remate colocado, na primeira vez que tocou na bola depois de ter substituído Marco Bicho.

O técnico da equipa visitante, Neca, só não foi tão afortunado porque Vitinha, que tinha acabado de substituir Semedo, errou ligeiramente o alvo, depois de se ter conquistado espaço no interior da área adversária.

A resposta do Atlético levou por duas vezes a bola ao mesmo poste da baliza do Trofense no curto espaço de cinco minutos, aos 68 e 73, na sequência dos remates de Rui Varela e Tininho, antes de Paulinho ter falhado por muito pouco a reedição do livre que inaugurou o marcador, aos 88.

O resultado parecia fechado, mas o inconformismo dos anfitriões no segundo período foi recompensado já em período de compensação dado pelo árbitro internacional Pedro Proença, aos 90+2 minutos, quando Rui Varela se antecipou à defesa adversária e consumou a reviravolta no marcador.

{fcomment}