A data era de festa. A época é de dificuldades. Por isso, os 11 anos da AEBA foram comemorados com um jantar simples, na noite de segunda-feira, dia 12, onde estiveram reunidos os membros dos órgãos socais e os colaboradores da associação.

Durante o encontro, Manuel Pontes (Coveni II), presidente da Direção da AEBA, anunciou que tanto ele como José Manuel Fernandes (Frezite), presidente do Conselho Fiscal, e Luís Portela (BIAL), presidente da Assembleia-geral, devem apresentar a recandidatura nas eleições que vão decorrer em maio. Os órgãos sociais deverão ainda ser renovados com a entrada de novos elementos. Ainda que “nada” esteja “definido”, Paulo Sousa (Eurico Ferreira), Pedro Silva (Ricon), Filipe Vilanova (Salsa), Marques Dias (Preh), Carlos Serra (Troficolor) e um responsável da empresa Metalogalva devem juntar-se à equipa de direção da associação que há 11 anos apoia as empresas da região. “Temos muitas ambições, como por exemplo transformar a AEBA numa empresa de consultadoria”, afirmou Manuel Pontes.

Da AEBA, os associados podem continuar a contar com o trabalho de sempre. O responsável da Direção está consciente das dificuldades financeiras e por isso a AEBA está a tentar encontrar financiamento “aonde está o dinheiro, que é como quem diz a Ásia, em países como a China”.

Antes de partir o bolo de aniversário, José Manuel Fernandes fez uma intervenção sobre a história e importância do associativismo empresarial, onde destacou a necessidade de existir cooperação entre a AEBA e Câmara Municipal. “Não vejo que esta relação esteja a funcionar. Em assuntos de matriz económica, a AEBA é um parceiro, que tem de ser considerado e respeitado. Acho que não podem prescindir dela como parceiro no desenvolvimento e até para uma estratégia desse mesmo desenvolvimento”, sublinhou. José Manuel Fernandes referiu ainda que esta não é uma associação apenas da Trofa: “O trabalho que a AEBA está a fazer está a ser seguido com muita atenção por outros municípios, que estão implicitamente a convidá-la a atuar nas suas áreas”. “Não me admiro nada se a AEBA criar subdelegações em Famalicão ou Santo Tirso, pois a expansão vai ser um ponto determinante para o futuro da associação”.

António Branco da Costa esteve no jantar em representação de Luís Portela e enalteceu o trabalho da AEBA. “A associação tem tido um papel empreendedor, no sentido em que tem apostado bastante na inovação e uma responsabilidade indireta no fomento do emprego nos concelhos do Baixo Ave,  apostando fortemente numa formação qualificada, abrindo assim as portas da região a possíveis investimentos”, frisou.