Gualter-CostaDurante os últimos anos não se falou de outras coisa se não da Europa, da crise, da troika, mas sobretudo de austeridade. Da necessidade de cortes, recortes e de ajustes orçamentais para não nos desviarmos das médias europeias. Da obrigatoriedade de nos submetermos aos caprichos e aos ditames alemães de mais austeridade. De mais contenção orçamental para nos considerarmos dignos de pertencer à União Europeia. Da necessidade de sermos considerados o “aluno exemplar” para que os mercados não se sentissem inseguros face aos desvaneios da nossa economia.

Mais de três anos volvidos após a chegada da troika a Portugal é hora do balanço. Para que serviu afinal tanta contenção e austeridade?

Esta é a pergunta fundamental à qual todo o centrão de direita não quer responder. Uns fingem-se moribundos, outros histéricos, outros ainda dramatizam, mas tudo isto não passa de encenações e manobras táticas devidamente estudadas para entreter o povo e evitar prestar contas perante a falta de resultados concretos e tangíveis de três anos de austeridade.

PSD e CDS regozijam-se ainda com a virtual saída da troika; dizem-nos que recuperámos a soberania, mentem-nos com a história da “saída limpa” e iludem-nos com o regresso aos mercados. Até já prometem apostar em políticas sociais e dizem equacionar um aumento do salário mínimo. Promessas, meras promessas, que todos sabemos que nunca virão a ser cumpridas. O PS, no momento em que o país mais necessita de um Partido Socialista forte, coeso e decidido no combate às políticas austeritárias, diverte-se com o reacender de velhas guerras internas, ignorando o país e incentivando a hegemonia da direita salazarenta. Prefere apostar nos faits divers de uma indecisão visceral entre o pseudo-reformismo socrático de Costa ou a total inexistência política de Seguro. Não podia haver melhor forma do PS contribuir para a eternização da direita no poder e para a austeridade sem fim. Confirma-se que socialismo no atual PS, só existe mesmo no nome.

No Bloco de Esquerda sabemos bem para que serviu tanta contenção e austeridade. Sabemos quem lucrou e continuará a lucrar com a grande mentira. Sabemos que os tempos que se aproximam não serão risonhos como a direita se esforça por pintar. O futuro vislumbra-se tão negro ou ainda mais quanto o passado recente. A austeridade veio mesmo para ficar e os vários aumentos brutais de impostos já anunciados confirmam-no.

Uma austeridade que serviu apenas para financiar e resgatar uma infinidade de crimes económicos e sociais cometidos por um punhado de simpatizantes do poder estabelecido (e que a julgar por várias notícias recentes parece ainda não ter findado). Uma austeridade que em vez de contribuir para a diminuição da dívida pública, pelo contrário agravou-a. Uma austeridade que em vez de fornecer músculo e oportunidades à nossa economia a enfraqueceu, atirando centenas de milhar para o desemprego ou para a emigração forçada. Uma austeridade que sob a falácia de potenciar as exportações, mais não fez que aniquilar o mercado interno. Uma austeridade que não foi um meio para corrigir as assimetrias financeiras e contabilísticas do Estado, mas um fim em si. Um fim que visa a diminuição dos custos de trabalho na Europa. Uma austeridade falaciosa de que Portugal, Grécia, Irlanda e Espanha são apenas cobaias, mas que irá metastizar-se em breve por toda a Europa.

Sob a capa de que vivemos acima das nossas possibilidades, de um hipotético colapso do nosso sistema financeiro, da insustentabilidade do estado social, do despesismo público, da ingovernabilidade ditada pela constituição, está a ser-nos imposta a velha agenda neoliberal. Uma nova ordem mundial que tem como objetivos a reconfiguração dos estados, o ataque à democracia, o embaratecimento da mão de obra qualificada. Um processo com vista à concentração de riqueza mundial num punhado de castas. Um plano oculto, que em breve permitirá o usufruto a preços da chuva das principais vantagens competitivas da Europa: o conhecimento, a cultura e know-how europeus desenvolvidos durante séculos. Uma vantagem competitiva inigualável, que por traição dos principais líderes europeus aos seus povos ou por mera incompetência destes, está a engordar como nunca as infinitas contas bancárias de capitalistas americanos, oligarcas russos, xeques árabes e até comunistas chineses.

A maldita frase de David Rockefeller, “Estamos diante da oportunidade para uma transformação global. Tudo o que precisamos é a grande crise certa para as nações não apenas aceitarem a Nova Ordem Mundial, mas implorarem por ela.”, ajuda-nos a compreender o porquê e os reais objetivos desta parva austeridade.

Gualter Costa

Coordenador Concelhio Bloco de Esquerda Trofa.

gualter.costa@outlook.com