De forma a assinalar o 12º aniversário da Casa da Cultura, a Câmara Municipal da Trofa dinamizou a primeira Feira de Doçaria, nos dias 2 e 3 de novembro.

Ao transpor as portas da Casa da Cultura um dos cinco sentidos era despertado pelo cheiro a doces que invadiu este espaço cultural. As salas de exposições itinerantes, situadas no primeiro e segundo piso, estavam preenchidas com stands de variados doces, que puseram à prova a gulosice dos visitantes.

Esta foi a primeira feira de doçaria da Trofa, intitulada “A Cultura é Doce”, e que estava integrada no 12º aniversário da Casa da Cultura. Durante o fim de semana, as pastelarias e confeitarias do concelho estiveram presentes na Casa da Cultura para participar nesta mostra.

Para Sérgio Carvalho foi com “muito gosto” que a Grão d’ Aroma marcou presença nesta feira, uma vez que é uma forma de divulgar “o cantinho” que tem na Trofa, dando-se a conhecer a “outros clientes”. O responsável pela pastelaria espera que esta iniciativa “seja para continuar”.

Também para Patrícia Maia foi “uma mais-valia” aderir a este evento, de forma a “divulgar a marca da SweetCake, que é nova no mercado”. Apesar de a adesão “não ter sido aquilo que se esperou”, os visitantes “gostaram dos produtos”, que são “mais baseados no cake design, que são docinhos mais personalizados e com requinte especial”, onde Patrícia Maia “tenta marcar um bocadinho a diferença”.

Já Sandra Vilela contou que esta “não é a primeira vez” que a pastelaria Tentações à Fatia “participa nos aniversários da Casa da Cultura”, que é importante para “divulgar as casas que há na Trofa” e que “muitas pessoas ainda não conhecem”. “O caso da nossa pastelaria. Já estamos na Trofa há três anos, mas ainda há muita gente na Trofa que não conhece o Tentações à Fatia e achei engraçado fazer esta mostra na Casa da Cultura. Acho que é uma boa maneira de festejar o aniversário da Casa da Cultura com as pastelarias da Trofa e espero que isto, embora não tenha tido muita adesão, nós dê projeção, alguma publicidade e nós traga mais alguns clientes”, referiu.

Renato Pinto Ribeiro, vereador do pelouro da Cultura, contou que esta iniciativa estava “integrada no 12º aniversário da Casa da Cultura”, estando de “parabéns” a Trofa, a Casa da Cultura e “todos aqueles que no seu dia a dia fazem o melhor para que seja divulgado aquilo que a Trofa tem de bom”. O vereador fez um balanço “extremamente positivo” desta “primeira mostra da doçaria”, frisando que, como todas as primeiras vezes, “há situações a corrigir”. “A Trofa é muito rica em gastronomia e não há dúvidas que também é em termos de doçaria. Aquilo que acho mais importante é promover aquilo que temos de bom”, denotou.

Durante o atual mandato, Renato Pinto Ribeiro tem “algumas” iniciativas para “dinamizar” a Casa da Cultura de forma a “criar um hábito nos trofenses de visitar” este espaço e “promover a marca Trofa”.

A abertura do certame contou com o espetáculo da Fanfarra de Santa Maria de Alvarelhos, tendo havido, ao longo do dia, workshops de doçaria, nas categorias de cake design e de bolachinhas areadas. Já o último dia contou com as atuações do Grupo Típico do Val e de Instrumentistas da Orquestra Ritmos Ligeiros da Trofa, que acompanharam a abertura do bolo de aniversário.