A vacina da AstraZeneca vai voltar a ser administrada em Portugal, um anúncio feito ontem pela Direção Geral da Saúde (DGS) e pelo Infarmed, onde salientaram ainda que quem se recusar a tomar esta vacina, irá automaticamente para o fim da fila, e mesmo assim, não vai poder escolher e será imunizado com a vacina que estiver disponível na altura.

Henrique Gouveia e Melo, vice-almirante e coordenador da task force para o plano nacional de vacinação, explica que “o princípio no processo de vacinação é a não escolha da vacina, porque as vacinas aprovadas são igualmente boas e seguras”.

A suspensão da vacina foi decretada em Portugal na segunda-feira, contudo, já existam pessoas que se tinham recusado a tomar esta vacina e exigiam ser imunizadas com outras.

José Luís Biscaia, diretor executivo do Agrupamento de Centros de Saúde do Baixo Mondego, explica que “vão ter que ficar à espera ou a aguardar que mude a regra da atribuição. Já tivemos médicos e médicos dentistas, por exemplo, a recusar-se, mas a regra é simples: não dá para escolher. Seria ingerível. Se as pessoas não aceitam a regra, e têm esse direito, vão ter que esperar. Serão vacinadas no verão ou depois do verão”

Ana Sofia Barreiras