A primeira edição das jornadas de trabalho da Trofa que decorreu durante dois dias, na freguesia de S. Martinho de Bougado, recebeu cerca de 300 participantes, de autarquias, universidades e outras instituições, em torno do tema "A Gestão de Informação na Era Digital". O Vereador Hélder Santos fez um balanço muito positivo dos dois dias de trabalho.

  O objectivo do evento era apresentar casos de experiências públicas e privadas no âmbito da gestão documental e informação através de formatos digitais. Cada um dos dias foi subordinado a um tema específico, nomeadamente "A Gestão Documental e a Modernização Administrativa" no primeiro dia e "Novos Desafios da Era Digital" no segundo.

As Jornadas de Trabalho da Trofa arrancaram com uma sessão de contextualização da realidade nacional no  domínio das Tecnologias de Informação e Comunicação. Subordinada ao tema "As Novas Tecnologias de Informação e Comunicação no contexto português, o debate da sessão apontou uma perspectiva mais histórica, de um academico da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, e um enquadramento mais estatístico por parte do Observatório da Sociedade da Informação e do Conhecimento (OSIC), da UMIC.

"Do Papel ao Digital", foi o título escolhido por Armando Malheiro, Professor Auxiliar da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, para traçar uma perspectiva histórica sobre o papel que a informação tem desempenhado ao longo dos tempos. Já no contexto da actualidade "globalizada", Armando Malheiro defendeu a supremacia da informação sobre o documento. "O documento existe, mas só como base e como meio. E a informação tem de se sobrepor ao meio", defendeu.

Do Observatório da UMIC, Raquel Mata, trouxe à audiência presente no auditório da Trofa os principais indicadores resultantes quer de estudos do próprio Observatório quer de investigações conduzidas a nível europeu. Dos resultados apresentados, merecem especial destaque os dados relativos aos serviços ou funcionalidades que as instituições públicas nacionais disponibilizam on-line. No ranking dos serviços disponibilizados on-line, os dois principais continuam a servir para colocar informação institucional e para fornecer um e-mail de contacto com a instituição.

O debate contou com a moderação de um alto responsável da autarquia anfitriã, na pessoa de Hélder Santos, Vereador do Pelouro do Arquivo Municipal da Câmara Municipal da Trofa.

Olinda Cardoso, da divisão de Cultura e Turismo da Câmara Municipal da Trofa falou sobre o Centro Digital de Informação Local (CDIL) um interessante exemplo de preservação da memória e identidade do conselho.

O Centro, que funciona na Casa da Cultura da Trofa pretende fornecer a consulta e o acesso a documentação digital, colecções de particulares de vários materiais relativos ao concelho, fotografias antigas e actuais, alguns documentos audiovisuais, postais, tudo ligado ao património do concelho.

Apesar de a consulta do material do Centro actualmente só poder ser feita num único ponto, o objectivo é, no futuro, criar um site que disponibilize esta informação para que seja concretizado um dos seus maiores objectivos, a promoção e divulgação do património do concelho a nível local e nacional. Olinda Cardoso salientou ainda as componentes educativa, cultural e social do projecto.

Alguns dos desafios sentidos prenderam-se com a necessidade da criação de um espaço onde materializar o processo de digitalização e a escolha das soluções tecnológicas mais adequadas.

António Mendes dos Santos, da UMIC – Agência para a Sociedade do Conhecimento, falou sobre o facto da utilização das novas tecnologia gerar, quase sempre, desigualdades que advêm de questões como a demografia e a iliteracia digital, que no seu entender em Portugal passa por um problema de iliteracia básica.

Na sua comunicação que versou a disponibilização de serviços on-line, António Mendes dos Santos enfatizou alguns dos portais que já estão a funcionar em Portugal como o Portal do Cidadão, o Portal da Empresa, entre outros. Salientando que as questões de e-inclusão são fundamentais para o sucesso de projectos como estes.

A abrir o segundo e último dia das jornadas de trabalho subordinadas ao tema "A Gestão de Informação na Era Digital" os participantes assistiram ao painel sobre "Comércio Electrónico e Assinatura Digital".

Em jeito de balanço Helder Santos, vereador responsável pelo Arquivo Municipal considerou a realização das jornadas de "extrema importância. Uma das virtudes destas jornadas é que junta além da administração pública, instituições e empresas privadas, imensas Câmaras Municipais, como a de Lisboa, a Camara do Porto, de todo o país que estão cá representadas com os seus técnicos de arquivo e de gestão documental que estão cá a participar connosco. Temos também muita gente do meio universitário, professores, para além dos oradores, muita gente dos arquivos distritais, do Arquivo Nacional da Casa da Torre do Tombo, que é o maior arquivo do país e o mais importante até algumas empresas privadas. Tendo em conta todas estas vertentes, acabamos por ter um número de participantes enorme que superou e muito as nossas expectativas".

O ArquivMunicipalda Trofa está neste momento a ser implementado e apesar de estar ainda numafase embrionaria, o vereador assegura que " até final do mandato haverá grandes novidades já na área do arquivo documental. Estamos a preparar uma surpresa agradável para a comemoração do décimo aniversário do concelho,em 2008", concluiu.