Com a suspensão dos campeonatos de futebol e mais propriamente do Campeonato de Portugal, o Clube Desportivo Trofense deu por concluída a época 2019/2020.

A equipa sénior, treinada por António Barbosa, seguia na 12.ª posição, com 30 pontos, mais três que a primeira equipa na zona de despromoção, o Gondomar. Desta forma, e segundo deliberado pela Federação Portuguesa de Futebol, o clube da Trofa assegura lugar nesta divisão na próxima temporada.

Em declarações ao NT, o presidente do clube, Franco Couto, assegurou que cumpriu “todas as obrigações” com treinadores, jogadores e restante staff, e que, agora, a prioridade passa por prepara a nova época, não esquecendo todos os compromissos financeiros que se mantêm. Sobre a decisão da Federação de cancelar o campeonato, o dirigente aplaude, sublinhando que “fez o que tinha de fazer e merece a minha admiração”.

“Toda a gente sabe que, em 2016, o clube ia acabar devido ao fosso em que caiu devido às dívidas que contraiu, mas o que é certo é que as coisas estão agora a compor-se, apesar de, nem sempre as coisas terem decorrido como eu ambicionava”, referiu Franco Couto, salientando que ao conseguir captar a atenção de um investidor, arranjou a solução para “resolver todos os problemas do clube”. “As dívidas do Trofense vão ser todas liquidadas e a nossa prioridade, para já, é cumprir as nossas obrigações financeiras com o Fisco”, sublinhou.

Recorde-se que, a 8 de janeiro, os sócios do clube aprovaram a autorização para a criação de uma sociedade anónima desportiva (SAD) no Clube Desportivo Trofense.

Na assembleia-geral, a direção explicou que a proposta passa pela entrada de novos investidores, concretamente de Nelson Almeida, empresário de futebol que gere a International Foot, que também tem ligações ao Lille, de França.

Segundo foi explicado na assembleia-geral, este investidor deterá “80 por cento” da SAD, ficando os restantes 20 por cento detidos pelo Clube Desportivo Trofense.

Franco Couto, presidente da coletividade, já tinha explicado à TrofaTv e ao NT que esta “é a única solução para o clube se manter vivo”. “Com a SAD o Trofense torna-se mais apelativo para os investidores, já para não falar de que teremos mais facilidade na negociação com finanças e segurança social”, sublinhou.

Na mesma assembleia-geral, foi aprovada a proposta para a sociedade desportiva unipessoal por quotas (SDUQ) apresentar um Processo Especial de Revitalização (PER), para renegociar a dívida, e assim criar condições para que, dentro de “três meses”, seja possível converter a SDUQ em SAD.