A Câmara da Trofa vai comprar 400 computadores, com internet de banda larga, para ceder aos jovens estudantes carenciados do concelho, num investimento de 150 mil euros, disse esta quinta-feira à Lusa, o presidente da autarquia, Sérgio Humberto.

A comunicação da autarquia sucede ao anúncio do primeiro-ministro António Costa de que, até ao 9.º ano, todo o terceiro período prosseguirá com ensino à distância, com avaliação, mas sem provas de aferição nem exames, mantendo-se os apoios às famílias com filhos menores de 12 anos.

A aquisição do material informático enquadra-se no reforço dos apoios de emergência num concelho que, revelou Sérgio Humberto, no “último mês teve mais 500 pessoas que ficaram desempregadas” e que “não podem pagar a conta da água, os resíduos, o saneamento e a eletricidade”.

“Vamos também comprar 400 computadores, com internet de banda larga, para fazer chegar às nossas crianças e jovens carenciados do 1.º ano do Ensino Básico até ao 12.º ano de escolaridade”, revelou o autarca que conta ter os “equipamentos disponíveis no final da próxima semana, a tempo desses alunos iniciarem o terceiro período sem se sentirem excluídos”.

A aquisição representa, segundo Sérgio Humberto, “um investimento de 150 mil euros” e segue o “levantamento das necessidades feito pelos agrupamentos escolares da Trofa, com quem vai ser celebrado um protocolo para o usufruto dos computadores”.

A título pessoal, o autarca revelou ainda que vai “oferecer o salário de abril às IPSS [Instituições Particulares de Solidariedade Social] do concelho que estão com mais dificuldade e na linha da frente do combate à Covid-19”.

Esclarecendo que o valor a ser oferecido é de 2.394 euros, desafiou vários outros políticos a fazerem o mesmo e a doar o seu salário a IPSS do interior do país “pois são as que têm mais dificuldade”.

Presidente da República, presidente do Banco de Portugal, banqueiros, políticos titulares de subvenções vitalícias e ex-Presidentes da República, foram as entidades desafiadas por Sérgio Humberto para, com a cedência de um mês do seu salário, “ajudarem a classe mais vulnerável, os idosos”.

“Se, com este dinheiro, pouparmos uma vida e um emprego nessas IPSS em dificuldade será um sinal de grande solidariedade”, afirmou Sérgio Humberto que estima serem “cerca de 10 as instituições” por quem repartirá o salário de abril.