A ARS Norte avisa que, “independentemente do cumprimento integral” das medidas de saúde pública, risco de transmissão de infeção pelo novo coronavírus durante eventos “é real e não pode ser anulado”.

A Autoridade de Saúde Regional do Norte desaconselhou esta quarta-feira a realização de festas que promovam a aglomeração de pessoas com “efeitos imediatos” na região, lembrando que o risco de transmissão é “real e não pode ser anulado”.

Em comunicado, a Autoridade de Saúde Regional do Norte (ARS-Norte) avisa que “independentemente do cumprimento integral” das medidas de saúde pública o risco de transmissão de infeção pelo novo coronavírus durante eventos “é real e não pode ser anulado”.

A ARS-Norte desaconselha por isso a “realização de eventos/festas/jantares que promovam a aglomeração de pessoas, na região Norte, com efeitos imediatos”.

É do conhecimento comum que qualquer evento, independentemente da sua natureza constitui, no contexto da situação epidemiológica atual, um risco acrescido para a saúde pública, condicionando um risco real de que possam circular pessoas infetadas, com ou sem sintomas, ainda que com um esforço de testagem prévia”, refere.

Citada no documento, a delegada de Saúde Regional Adjunta do Norte, Graça Alves, salienta por isso ser fundamental que as pessoas que pretendem realizar eventos durante a pandemia “ponderem o risco a que se estão a submeter, assim como os demais participantes”.

Recomendando que seja tida em conta a aplicação de medidas de redução de risco e garantido o cumprimento da legislação em vigor, bem como as normas, orientações e recomendações da Direção-Geral da Saúde, a ARS-Norte lembra que a atual situação epidemiológica “determina o grau de incerteza em que vivemos”.

“A imprevisibilidade da evolução epidemiológica da Covid-19 implica uma avaliação de risco contínua e, de acordo com o nível de risco apurado, a reavaliação das medidas de saúde pública implementadas”, acrescenta.